Operação antiterrorista no Paquistão deixa pelo menos 12 mortos

Islamabad, 14 abr (EFE).- Pelo menos 12 pessoas morreram, entre elas nove supostos terroristas e três soldados, em uma operação militar perto da cidade de Dera Ghazi Khan, na província oriental paquistanesa de Punjab, informou o Exército.

"Durante uma troca de disparos, nove ou dez terroristas morreram. Três soldados do corpo dos Rangers morreram também e outros dois ficaram feridos", indicou em comunicado o escritório de comunicação do Exército (ISPR).

Segundo os militares, o operação foi realizada durante a manhã por diferentes corpos das forças de segurança contra um esconderijo de membros do principal grupo insurgente do país, o Tehrik-i-Taliban Pakistan (TTP).

O ISPR apontou que a operação continua na zona contra os terroristas envolvidos em "terríveis crimes, sequestros e atividades terroristas".

A operação de hoje faz parte da operação Radd-ul-Fasaad ("eliminação da discórdia") lançada em todo o país após vários atentados que deixaram 130 mortos na primeira quinzena de fevereiro.

No dia seguinte do ataque jihadista a um templo sufi no sul do país, que deixou 88 mortos, o Exército afirmou que tinha matado "mais de cem" supostos insurgentes em uma operação relâmpago.

Desde então, o Exército informa sobre o progresso da operação com esporádicos comunicados com cifras de mortos e feridos em fatos concretos, mas não divulgou o número total de falecidos e detidos.

Os dados oferecidos até agora não puderam ser verificado independentemente.

Radd-ul-Fasaad é a continuação da operação Zarb-e-Azb, que foi realizada nas zonas tribais em junho de 2014 e na qual morreram cerca de 3,4 mil supostos insurgentes e ajudou a reduzir significativamente a ameaça terrorista no país. EFE