Ataque em creche na Tailândia deixa mais de 30 mortos, entre eles, várias crianças

AFP - HANDOUT

Um homem promoveu uma carnificina em uma creche tailandesa nesta quinta-feira (6), deixando ao menos 35 mortos, entre eles, 23 crianças. Segundo a polícia local, o agressor se suicidou depois de matar sua família.

O massacre ocorreu na província de Nong Bua Lamphu, no norte da Tailândia. O autor do ataque, identificado como Panya Khamrab, um ex-policial de 34 anos, entrou na creche por volta das 12h30 do local (2h30 pelo horário de Brasília), no momento em que as crianças almoçavam, com uma arma de fogo e uma faca.

O Escritório Central de Investigação do país divulgou uma foto do agressor. O primeiro-ministro tailandês, Prayut Chan-o-cha, classificou o ataque de "horrível" e ordenou a abertura de uma investigação.

"Gostaria de expressar minha profunda tristeza e prestar condolências às famílias das pessoas mortas e feridas", escreveu o premiê em sua página no Facebook.

Imagens que circulam nas redes sociais mostram os corpos ensanguentados das vítimas no chão, afirma a correspondente da RFI em Bangkok, Carol Isoux. A polícia pediu que a população não publique, nem compartilhe imagens da carnificina.

Crianças mortas têm entre 2 e 3 anos

Entre as vítimas, estão uma professora grávida de oito meses, a esposa e o filho de Khamrab. As crianças mortas na creche têm entre dois e três anos.

Segundo o chefe da polícia de Nong Bua Lamphu, depois do ataque, Khamrab fugiu de carro e atropelou várias pessoas no caminho. Logo depois cometeu suicídio.

Os motivos do crime ainda não foram divulgados. A imprensa local indicou que o agressor foi demitido de seu cargo de tenente-coronel no ano passado devido ao uso de drogas.

(Com informações da Reuters e da AFP)


Leia mais em RFI

Leia também:
Soldado tailandês mata ao menos 17 pessoas e publica vídeo nas redes
Cerco a soldado atirador na Tailândia dura 17 horas; 26 morreram
Onze ataques a bomba deixam mortos e feridos em balneários da Tailândia