Ataque do grupo Al Shabab deixa cinco mortos em hotel na Somália

·1 minuto de leitura
O hotel Afrik em Mogadíscio, capital da Somália, foi alvo de um ataque suicida

Ao menos cinco civis morreram e 10 ficaram feridos em um ataque executado pelos islamistas radicais do grupo Al Shabab em um hotel do centro de Mogadíscio, informou o porta-voz da polícia somali.

No domingo à tarde, um carro-bomba explodiu diante do hotel Afrik, próximo ao aeroporto, e homens armados invadiram o edifício e abriram fogo.

O ataque ao hotel prosseguiu até quase meia-noite. Soldados somalis lutaram contra quatro agressores, que estavam entrincheirados em um salão do edifício principal.

"Entre os mortos contamos cinco civis e os agressores - três deles por tiros e o outro detonou os explosivos. O balanço pode aumentar e alguns feridos podem não resistir", declarou Sadik Dudishe, porta-voz da polícia.

O ministério da Informação anunciou em um comunicado que uma das vítimas é o general Mohamed Nur Galal, um ex-comandante do exército muito famoso na Somália.

O grupo Al Shabab reivindicou o ataque.

"Os mujahedines participam em uma operação em curso no interior do hotel Afrik, onde estão posicionados membros do grupo dos apóstatas", afirma um comunicado divulgado no domingo.

A Somália é um país em um cenário de caos desde a derrubada do regime militar do presidente Siad Barré em 1991, seguido por uma guerra de líderes de clãs e do aumento do poder do grupo Al Shabab, que controlou Mogadíscio até sua expulsão da capital em 2011.

O grupo radical, no entanto, continua controlando vastas zonas rurais a partir das quais executa operações de guerrilha e ataques suicidas, inclusive na capital, contra alvos governamentais, de segurança ou civis.

str-md/rfo/pz/jhd/es/zm/fp