Ações do Exército do Níger matam 57 integrantes do Boko Haram

Niamey, 11 abr (EFE).- Os recentes enfrentamentos entre o Exército do Níger e o Boko Haram em Gueskerou, no sul do país e na fronteira com a Nigéria, causaram a morte de 57 membros do grupo terrorista e a apreensão de vários armamento em seu poder, informou o Ministério da Defesa.

Durante o ataque fracassado do grupo terrorista ao posto militar de Gueskerou na noite de domingo, 15 militares ficaram feridos, da mesma forma que dois civis.

"Os inimigos perderam 57 elementos, um veículo 4x4, um morteiro de 60 milímetros, cinco metralhadoras, 20 AK47 e uma importante quantidade de munição", indicou a nota do órgão.

Segundo o porta-voz do Ministério, os terroristas chegaram a Gueskerou em vários veículos e fortemente armados, mas as forças nigerianas repeliram o ataque. Imediatamente depois, o Exército lançou uma série de operações aéreas e terrestres de rastreamento no Lago Chade para "capturar e eliminar os sobreviventes do grupo que tinham perpetrado o ataque".

O último ataque do Boko Haram em território nigeriano foi em 29 de março, quando uma patrulha mista nigero-chadiana caiu em uma emboscada, na qual perderam um soldados e dez mais ficaram feridos.

Entre janeiro e março de 2017, esta seita - nascida e ativa principalmente na vizinha Nigéria - fez 15 ataques na região de Diffa, que se somam aos 22 registrados no último trimestre de 2016, segundo o Escritório local das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários.

O ataque de domingo acontece em um momento em que as autoridades de Diffa acolhem praticamente todos os meses membros de Boko Haram que declaram remorso e decidem deixar a luta no marco de um programa de desradicalização e reinserção socioeconômica dos jihadistas arrependidos.

Desde o anúncio deste programa, em dezembro do ano passado, 150 dissidentes do Boko Haram se entregaram às autoridades para se beneficiar da anistia e dos planos de reinserção prometidos pelo governo. EFE