Ataque hacker a aplicativo das prévias do PSDB é 'plausivel', diz fundação que fez ferramenta

·1 min de leitura

SÃO PAULO — Responsável pelo aplicativo das prévias, a Fundação de Apoio da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (FAURGS) disse nesta quarta-feira que considera plausível a ocorrência de um ataque de hackers ao software do PSDB, cuja votação acabou suspensa no domingo após uma pane de mais de 10 horas.

Sonar:Chamado de ‘garotinho’, Leite rebate Arthur Virgílio: 'preconceito absurdo com juventude'

A eleição envolve a disputa pela indicação do partido à Presidência pelo partido em 2022. Os governadores João Doria e Eduardo Leite são apontados como favoritos, enquanto o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio faz campanha discreta e suas chances são consideradas remotas.

A falha levou o PSDB a adotar um plano B e C para a eleição e a sigla faz testes com outras empresas para concluir a eleição interna. A ideia é finalizar a votação até o final dessa semana.

"A Faurgs esclarece que, nas condições normais contratadas, o software desenvolvido funcionou perfeitamente. A plataforma utilizada tem capacidade para muito mais acessos do que o tamanho do colégio eleitoral. A instabilidade, portanto, se deu por condições externas ao aplicativo", diz a fundação por meio de nota.

O aplicativo desenvolvido pela Faurgs gerou uma série de atritos desde o início das prévias principalmente por ter sido gestado em solo gaúcho.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos