Ataque no Texas: sete gráficos que explicam a cultura das armas nos EUA

Um homem segura uma mulher no colo; ela apoia a cabeça no peito dele e tem os olhos fechados; ambos têm aparência latina
Familiares e amigos das vítimas do massacre em Uvalde, no Texas

Há mais de 50 anos, o governo do presidente Lyndon Johnson declarou que "as armas de fogo são o principal instrumento de morte" nos EUA e que isso era resultado de uma tolerância "de nossa cultura em relação às armas de fogo".

Na época, cerca de 90 milhões de armas circulavam no país. Hoje, há muito mais armas e muitas mais mortes.

Na terça (24/5), mais um ataque em uma escola deixou 21 mortos (19 crianças e 2 adultos) na cidade de Uvalde, no Texas. O americano que entrou na escola armado e começou a atirar era um garoto de 18 anos.

Entre 1968 e 2017, houve 1,5 milhão de mortes por arma de fogo nos EUA — o número é maior que o de todos os soldados americanos mortos nas guerras em que o país se envolveu desde a Guerra da Independência, em 1775.

Somente em 2020, mais de 45 mil americanos morreram com alvejados por tiros de armas de fogo, seja por homicídio ou suicídio, mais do que em qualquer outro ano registrado. O número representa um aumento de 25% em relação a cinco anos anteriores e de 43% em relação a 2010.

Mas a questão é altamente polarizada, com defensores de maior controle sobre as armas de um lado e grupos armamentistas de outro.

Veja em sete gráficos o que sabemos sobre a cultura de armas nos Estados Unidos e sobre o impacto que ela tem.

grafico
grafico

Dados indicam que a posse de armas cresceu significativamente nos últimos anos nos EUA. Um estudo, publicado no Annals of Internal Medicine em fevereiro, descobriu que 7,5 milhões de adultos americanos - pouco menos de 3% da população - se tornaram os novos proprietários de armas entre janeiro de 2019 e abril de 2021.

Isso, por sua vez, expôs 11 milhões de pessoas a armas de fogo em suas casas, incluindo 5 milhões de crianças. Cerca de metade dos novos proprietários de armas naquele período eram mulheres, enquanto 40% eram negros ou hispânicos.

A proporção de 120,5 armas de fogo por 100 habitantes nos EUA, acima dos 88 por 100 em 2011, supera em muito a de outros países ao redor do mundo.

Um estudo separado, publicado pela Academia Americana de Pediatria em 2021, vinculou o aumento da posse de armas durante a pandemia a taxas mais altas de ferimentos por armas entre - e infligidos por - crianças.

Gráfico
Gráfico

Como as mortes por armas nos EUA se dividem?

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC), um total de 45.222 pessoas morreram de ferimentos relacionados a armas de todas as causas durante 2020, o último ano para o qual dados completos estão disponíveis.

São consideradas "intervenções legais" casos de mortes justificadas causadas por agentes de segurança ou, em alguns casos (como em legítima defesa), por civis.

E enquanto ataques com armas em locais de circulação pública e assassinatos com armas geralmente atraem mais atenção da mídia, do total, 54% - cerca de 24.300 mortes - foram suicídios.

Um estudo de 2016 publicado no American Journal of Public Health descobriu que havia uma forte relação entre níveis mais altos de posse de armas em um estado e taxas mais altas de suicídio por armas de fogo para homens e mulheres.

Defensores de leis mais rígidas sobre armas nos Estados Unidos costumam citar essa estatística ao pressionar os legisladores a dedicar mais recursos à saúde mental e menos ao alívio das restrições às armas.

gráfico
gráfico

Como os assassinatos nos EUA se comparam com outros países?

Em 2020, 43% das mortes - totalizando 19.384 pessoas - foram homicídios, segundo dados do CDC. O número representa um aumento de 34% em relação a 2019 e um aumento de 75% ao longo da década anterior. Quase 53 pessoas são mortas a cada dia por uma arma de fogo nos EUA, de acordo com os dados.

Os dados também mostram que a grande maioria dos assassinatos, 79%, foram realizados com armas de fogo. Essa é uma proporção significativamente maior de homicídios do que no Canadá, Austrália, Inglaterra e País de Gales e muitos outros países.

gráfico
gráfico

Os ataques com armas de fogo estão se tornando mais mortíferos?

As mortes dos ataques com armas feitos em escolas e outros estabelecimentos são mais difíceis de rastrear.

O FBI há mais de uma década rastreia "incidentes com atiradores ativos" nos quais "um indivíduo está ativamente envolvido em matar ou tentar matar pessoas em uma área povoada". De acordo com o FBI, houve 345 "incidentes com atiradores ativos" nos Estados Unidos entre 2000-2020, resultando em mais de 1.024 mortes e 1.828 feridos.

O ataque mais mortal desse tipo, em Las Vegas em 2017, matou mais de 50 pessoas e deixou 500 feridos. A grande maioria dos tiroteios, no entanto, deixa menos de 30 pessoas mortas.

grafico
grafico

Quem apoia o controle de armas?

Apesar da indignação pública generalizada e vocal - muitas vezes após a violência armada - o apoio americano a leis mais rígidas sobre armas em 2020 caiu para o nível mais baixo desde 2014, segundo pesquisa da Gallup.

Apenas 52% dos americanos pesquisados ​​disseram que queriam leis mais rígidas sobre armas, enquanto 35% disseram que deveriam permanecer as mesmas. Onze por cento dos entrevistados disseram que as leis deveriam ser "menos rígidas".

A questão também é hiperpartidária e extremamente polarizada. "Os democratas são quase unânimes em seu apoio a leis mais rígidas sobre armas", observou o mesmo estudo da Gallup, com quase 91% a favor de leis mais rígidas sobre armas.

Apenas 24% dos republicanos, por outro lado, concordaram com a mesma afirmação, juntamente com 45% dos eleitores independentes.

Alguns estados tomaram medidas para proibir ou regular estritamente a posse de armas semi-automáticas. As leis variam de acordo com o estado, mas a Califórnia, por exemplo, proibiu a posse destas armas com exceções limitadas.

Alguns controles são amplamente apoiados por pessoas em todas as divisões políticas - como restrições que regem a venda de armas para pessoas mentalmente comprometidas ou em listas de "vigilância".

Quem se opõe ao controle de armas?

Apesar de anos de problemas financeiros e conflitos internos, a National Rifle Association (NRA) continua sendo o lobby de armas mais poderoso nos Estados Unidos, com um orçamento substancial para influenciar os membros do Congresso na política de armas.

Em janeiro, a NRA entrou com pedido de falência como parte de um caso de fraude contra alguns de seus próprios funcionários seniores. Mesmo após a mudança, prometeu continuar "confrontando as atividades anti-Segunda Emenda, promovendo a segurança e o treinamento de armas de fogo e avançando nos programas públicos nos Estados Unidos".

Nos últimos vários ciclos eleitorais, ela e outras organizações gastaram consistentemente mais em mensagens pró-armas do que seus rivais no lobby do controle de armas.

Vários estados também chegaram a eliminar amplamente as restrições sobre quem pode portar uma arma. Em junho de 2021, por exemplo, o governador do Texas, Greg Abbott, sancionou uma "lei de transporte sem permissão" que permite que os residentes do estado carreguem armas de fogo sem licença ou autorização.

A lei foi apoiada pela NRA, e líderes dentro da organização chamaram a medida de "um momento monumental para a Segunda Emenda".

grafico
grafico
grafico
grafico

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos