Ataques de conservadores às artes inspiram e-book de niteroiense

·2 min de leitura

NITERÓI — O artista plástico niteroiense Alex Frechette não tem dúvidas: a ascensão do bolsonarismo causou impacto significativo na produção cultural do país. Os cortes de verbas e de incentivos públicos, além dos ataques de ódio nas redes sociais a qualquer manifestação artística contrária aos valores conservadores, têm deixado marcas profundas. E é essa reflexão que ele traz em seu novo e-book, “Bolsonarismo e arte — Notas sobre um cotidiano autoritário”.

— A mentalidade moralista, numa ânsia por padrões e fiscalizações, encontrou seu alvo preferencial naqueles que não respondem a estes controles. O apoio público à cultura seria, então, uma maneira de sustentar um pensamento de esquerda degenerador. A batalha ideológica através da censura, os ataques e as perseguições a artistas, somados à falta de incentivos fiscais para as artes estariam, portanto, plenamente justificados — reflete.

Nessa linha, Frechette, que também é professor na rede estadual, em Niterói, acredita que os artistas passaram a ser vistos como inimigos usurpadores do dinheiro público.

— O artista se sente censurado porque sabe que vai ser muito atacado. Mesmo assim, a arte é o lugar da ruptura. Por isso, apesar dessa guerra toda, estão surgindo muitos artistas engajados contra essa mordaça — acredita.

A reunião de artigos, escritos entre 2020 e 2021, ancora-se em diversos episódios, como o ataque a bomba à produtora Porta dos Fundos, em 2019, por causa do especial de Natal no qual é sugerido que Jesus seria homossexual.

Não dá para esquecer, exemplifica o artista, do ex-secretário especial de Cultura do governo Bolsonaro, Roberto Alvim, que numa transmissão institucional, tendo ao fundo uma ópera de Wagner, compositor preferido dos nazistas, citou trechos de uma fala do ministro da propaganda de Hitler, Joseph Goebbels.

— Os episódios são muitos e têm em comum a marca autoritária da recusa das pluralidades de pensamento, principalmente no campo da cultura — diz.

O livro virtual está disponível no site amazon.com.br.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos