Ataques contra bases dos EUA não dão trégua no Iraque

·2 minuto de leitura
Um membro das forças de segurança iraquianas em frente a um caminhão carbonizado, na província de Al Anbar

A carcaça de um caminhão carbonizado se destaca em frente a uma mesquita de paredes azuis destruídas. Um jovem, com a cabeça coberta, se pergunta por que os iraquianos devem "pagar o preço" do confronto cada vez mais aberto entre americanos e grupos pró-iranianos.

No dia seguinte a um dos maiores ataques desses últimos meses - 14 foguetes disparados na quarta-feira contra uma base militar no oeste do Iraque -, Hamza Abdulrazzaq, ferido por um fragmento de morteiro, deixa escapar sua indignação: "toda a região foi afetada, as casas incendiadas, as janelas destruídas. E que culpa temos nós? Gostaríamos que o governo garantisse a nossa segurança".

Em pleno deserto, a base aérea de Ain al-Asad, que abriga militares - a maioria americanos - da coalizão anti-extremista, já sofreu outros ataques, mas a magnitude dessa operação foi inédita.

Segundo o general iraquiano Hamad Namess, 24 foguetes foram lançados ontem a partir de um caminhão que transportava farinha.

"O veículo tinha todas as autorizações para passar pelos controles", disse à imprensa Namess, que visitou o local nesta quinta-feira.

Catorze atingiram a base, deixando dois feridos leves, segundo o porta-voz da coalizão, o coronel Wayne Marotto, que prometeu no Twitter que os autores "serão 100% responsabilizados" e anunciou represálias dos Estados Unidos.

Os ataques são implacáveis no Iraque há meses, com foguetes ou drones contra bases militares ou a embaixada dos Estados Unidos. Nesses últimos dias, ocorreram diariamente em Bagdá e Erbil, capital do Curdistão iraquiano (norte).

Às vezes, são reivindicados por grupos desconhecidos que exigem a saída "do ocupante norte-americano" ou prometem "vingar" a morte de combatentes em bombardeios dos EUA, mas são atribuídos pelas autoridades americanas às facções pró-iranianas reunidas em torno da Hashd al-Shaabi.

Esta poderosa coalizão, integrada politicamente e militarmente nas instituições iraquianas, elogia frequentemente esses ataques, mas nunca os reivindicou oficialmente.

A Hashd prometeu "vingar" seus combatentes mortos nos bombardeios americanos de 28 de junho no Iraque e Síria, onde um ataque com drones contra os norte-americanos foi impedido na segunda-feira.

O ciclo de ataques e represálias é perigoso, de acordo com vários especialistas, que consideram que está longe de acabar.

Para Hamdi Malik, especialista em grupos armados iraquianos, o primeiro objetivo dos grupos pró-iranianos "é evitar perder a credibilidade com sua base".

"Se não agirem, correrão o risco de perder o respeito de outros membros do Eixo da Resistência", os pró-Irã na Síria, Líbano e Iêmen, acrescentou.

bur-cf/awa/me/mb/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos