Ataques em duas escolas em Aracruz (ES) deixam 3 mortos e 11 feridos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Ataques a tiros em duas escolas do Espírito Santo deixaram ao menos 3 mortos e 11 feridos na manhã desta sexta-feira (25). As ações criminosas foram confirmadas pela Polícia Militar.

O governador Renato Casagrande (PSB) afirmou que os ataques foram registrados nas escolas Primo Bitti e Centro Educacional Praia de Coqueiral, ambas na mesma avenida em Aracruz, município de 104 mil habitantes no interior capixaba.

Policiais militares, civis e o Corpo de Bombeiros atendem a ocorrência. Casagrande informou ter determinado a ida dos secretários de Segurança e Educação para a cidade.

De acordo com o secretário da Segurança Pública e da Defesa Social do Espírito Santo, Marcio Celante, em uma escolas foram 11 vítimas, sendo duas mortas e nove atingidas por disparos.

A ação ocorreu dentro da sala dos professores. Todas as vítimas eram docentes.

Depois do ataque inicial, ele se deslocou para a outra escola, onde fez outras três vítimas. Uma pessoa morreu e outras duas ficaram feridas na ação. A polícia ainda busca entender como ocorreu o segundo caso.

Conforme o secretário, o autor dos tiros, que fugiu, estava com o rosto coberto e vestido com uma roupa camuflada. Ele teria usado uma pistola semiautomática para cometer os crimes.

"Informações preliminares, inclusive através de imagens, [indicam que] ele estava sozinho. Ele arrombou um cadeado para ter acesso à escola. E próximo a esse acesso do portão estava a sala dos professores. Ele teve acesso direto à sala dos professores naquele momento do intervalo e assim surpreendeu, infelizmente, e vitimou nove professores, que foram socorridos, e dois foram a óbito", disse Celante.

Policiais de Vitória, capital do estado, foram acionados para auxiliar nas buscas do atirador.

O presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), se solidarizou nesta sexta-feira com os familiares das vítimas dos ataques às escolas e disse apoiar o governador Casagrande na apuração do caso e amparo para as comunidades atingidas.