Ataques golpistas são condenados em ato pela democracia na Cinelândia

Logo Agência Brasil
Logo Agência Brasil

Em reação aos ataques de extremistas ocorridos ontem (8) em Brasília, movimentos sociais do Rio de Janeiro convocaram pelas redes sociais um ato em defesa da democracia. Mesmo com o tempo chuvoso, por volta de 17h, a praça da Cinelândia, no centro da capital fluminense, começou a ser tomada por manifestantes. Eles pregam o respeito ao processo eleitoral que consagrou a vitória de Luís Inácio Lula da Silva, que assumiu o posto de presidente da República no dia 1º.

Os ataques em Brasília foram realizados por apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro, que não obteve sucesso em sua tentativa de reeleição. Grupos que não aceitaram a derrota já vinham mantendo, desde o fim do ano passado, acampamentos em frente a edifícios do Exército em diversos estados do país e clamavam por uma invervenção militar.

Manifestantes lotam a praça da Cinelândia em defesa da democracia após atos golpistas em Brasília.
Manifestantes lotam a praça da Cinelândia em defesa da democracia após atos golpistas em Brasília.
Manifestantes lotam a praça da Cinelândia em defesa da democracia após atos golpistas em Brasília. - Fernando Frazão/Agência Brasil

Notícias relacionadas:

Atos de vandalismo foram praticados no Palácio do Planalto e nas sedes do Congresso e do Supremo Tribunal Federal (STF). Os prejuízos ainda estão sendo calculados. Mais de mil pessoas foram presas até o momento e o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, foi afastado por 90 dias STF. Ele está sendo investigado por omissão, uma vez que não apresentou um plano de segurança capaz de proteger o patrimônio público.

A designer Caroline Thompson conta que ficou abatida assistindo às cenas de destruição dos edifícios situados na Praça dos Três Poderes.

"O que aconteceu ontem me deixou mal. Me deu uma tristeza grande. Eu não conseguia sair da cama. Quando vi a convocação para este ato, eu tinha que vir. Eu não aceito o que estão tentando implantar no Brasil. Não aceito violência, não aceito fascismo. O governo foi eleito e todos precisam aceitar", contou a manifestante.

Caroline disse esperar que seja feita uma rápida investigação para cobrar, inclusive financeiramente, os responsáveis pela destruição. "Alguém financiou esses atos terroristas. E as pessoas que financiaram precisam ser responsabilizadas. Eles que têm que pagar por todos os danos".

No carro de som, havia bandeiras de entidades sindicais, de organizações estudantis e de outros movimentos sociais. Lideranças se revezavam ao microfone. De tempos em tempos, a principal frase de ordem do ato era entoada em coro pelos presentes: "sem anistia".

Manifestantes lotam a praça da Cinelândia em defesa da democracia após atos golpistas em Brasília.
Manifestantes lotam a praça da Cinelândia em defesa da democracia após atos golpistas em Brasília.
No carro de som, havia bandeiras de entidades sindicais, de organizações estudantis e de outros movimentos sociais.. - Fernando Frazão/Agência Brasil

O estudante Pedro Paulo Pereira manifestou-se surpreendido com a mobilização.

"Não esperava tanta gente. Afinal de contas tudo aconteceu de forma muito repentina. O ato foi organizado muito em cima de hora e mesmo assim está sendo muito bem sucedido. É uma demonstração de força de todos os movimentos democráticos que não vão aceitar que vândalos bolsonaristas deprendem Brasília como fizeram. É preciso mostrar a união de todos os que respeitam o resultado das urnas", avaliou.

Para Pedro, parte das pessoas que se dirigiram à Brasília foram manipuladas. "Penso que havia gente lá que acreditava que seria uma manifestação pacífica. E ao mesmo tempo, haviam pessoas querendo quebrar tudo. Então espero que o governo e as forças de segurança tenham muita sabedoria para encontrar os principais responsáveis e para desmobilizar esses grupos".