Atendente de lanchonete baleado por cliente aguarda vaga no CTI do Hospital Lourenço Jorge

Mineiro, Mateus Domingues Carvalho, de 21 anos, veio para o Rio de Janeiro com o sonho de estudar veterinária. Apaixonado por animais, ele tem quase dez gatos e chegou a parar a faculdade porque não tinha dinheiro para pagar as mensalidades. Atendente do McDonald’s, ele foi agredido e baleado por um cliente na madrugada desta segunda-feira na unidade da Taquara, na Zona Oeste do Rio, após uma discussão sobre o uso de um cupom de desconto.

Mateus passou por uma cirurgia, foi extubado e aguarda, acordado e consciente, uma vaga no CTI do Hospital municipal Lourenço Jorge. De acordo com Marcela Costa, tia do jovem, os parentes temiam pela segurança do rapaz por causa do horário de trabalho. Ela relata que ele tinha consciência de que o turno era perigoso, mas precisava do emprego para pagar as contas.

— O horário de trabalho dele era ruim. A gente fez tudo para ele sair de lá, mas ele preferiu ficar trabalhando. Eu queria que ele mudasse de horário, porque era perigoso e ele não tem essa maldade. Ele só estava fazendo o trabalho dele e aconteceu isso. O sonho dele é trabalhar para pagar a faculdade e fazer veterinária. Ele precisou parar de estudar para trabalhar, pois é uma coisa ou outra — destacou a mulher.

Marcela contou que o jovem, que segue esperando uma vaga para o CTI, "sempre falava que aquele era o pior horário de se trabalhar". Quando ela recebeu a notícia do ocorrido, ele já estava no hospital.

— Ele conta que tem certas horas que eles fecham a loja por conta da segurança. A pessoa se achou no direito, entrou na loja e deu um tiro a queima roupa nele. Ele morava com a minha filha, mas foi morar sozinho, porque ficava ruim dele continuar trabalhando lá morando aonde estava. Ele foi desentubado e está reagindo bem. Chegou consciente. Graças a Deus, ele está melhor — afirmou.

De acordo com a Secretaria municipal de Saúde, o estado de saúde do rapaz é estável.

De acordo com parentes de Mateus, não é a primeira vez que ele foi vítima da violência no local de trabalho. No dia 1º de abril deste ano, também de madrugada, Mateus e o gerente foram ameaçados por dois homens que tentaram pagar um lanche com uma nota de R$ 200 supostamente falsa. Houve bate-boca e xingamentos entre os envolvidos após o montante ser recusado. Por conta da confusão, a polícia foi chamada.

Em nota, o McDonald's destacou que lamenta profundamente o ocorrido e informou que prestou socorro imediatamente ao funcionário, que foi levado rapidamente para o hospital pela polícia. “A empresa está acompanhando e dando todo o suporte para seus familiares e já está colaborando com as investigações sobre o caso”, diz a nota do estabelecimento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos