Atentado contra Cristina impõe nível de atenção mais alto, diz campanha de Lula

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 22.08.2022 - O ex-presidente Lula participa do lançamento do livro de fotos de Ricardo Stuckert no Memorial da América Latina, em São Paulo. (Foto: Marlene Bergamo/Folhapress) ORG XMIT: AGEN2208222226923698
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 22.08.2022 - O ex-presidente Lula participa do lançamento do livro de fotos de Ricardo Stuckert no Memorial da América Latina, em São Paulo. (Foto: Marlene Bergamo/Folhapress) ORG XMIT: AGEN2208222226923698

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Integrantes do entorno do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmam que o atentado contra a vice-presidente Cristina Kirchner na Argentina exigirá um grau mais alto de atenção na campanha, embora a segurança do petista já esteja classificada no nível de risco mais alto dentro do protocolo da PF (Polícia Federal).

O efetivo, a princípio, continuará o mesmo, mas a dinâmica e procedimentos pontuais podem mudar, dependendo do evento e da ocasião. As análises sobre a operação são feitas para cada uma das agendas individualmente.

A regra interna ainda é a segurança se adaptar aos eventos marcados pelo candidato e dar liberdade para ele escolher os compromissos que julgar necessários para garantir a sua eleição. Um dos envolvidos nas operações afirma que, se Lula só fosse a lugares seguros, não seria necessária a atuação da PF.

Uma pessoa que participa do planejamento afirma que o diálogo entre segurança e agenda se torna ainda mais importante para que a integridade do candidato seja garantida.