Atentado de Liverpool foi preparado 'pelo menos' desde abril, diz polícia

·1 min de leitura
Explosão ocorreu do lado de fora do Hospital para Mulheres de Liverpool, momentos antes do minuto de silêncio, em todo país, pelos mortos da guerra (AFP/Oli SCARFF)

O homem morto no ataque a bomba em Liverpool no domingo (14) planejava a ação pelo menos desde abril - anunciou a polícia nesta quarta-feira (17).

Emad Al Swealmeen, de 32 anos, um iraquiano convertido ao cristianismo, começou a comprar materiais para a bomba "pelo menos" desde abril, quando alugou uma casa em Liverpool, disse o chefe da unidade antiterrorista da polícia no noroeste da Inglaterra, Russ Jackson.

Al Swealmeen era passageiro de um táxi e morreu na deflagração, ocorrida pouco antes das 11h locais (8h no horário de Brasília) em frente a um hospital para mulheres. O motorista ficou levemente ferido.

O ataque aconteceu no chamado "Dia da Lembrança", data em que o Reino Unido homenageia seus mortos de guerras.

A polícia classificou esta ocorrência como um "ato terrorista", embora, de acordo com a imprensa britânica, nenhum motivo ideológico tenha sido encontrado até o momento.

O homem "sofreu episódios de doença mental, o que será a base das investigações".

Segundo a imprensa britânica, Emad Al Swealmeen era um solicitante de asilo e não estava no radar dos serviços de Inteligência. Chegou ao Reino Unido há vários anos e se converteu ao cristianismo.

Nesta quarta-feira, alguns jornais especulavam que estas conversões podem ser uma técnica usada por certos requerentes de asilo para apoiar sua causa, pondo sua honestidade em xeque.

jwp/phz/yad/dbh/mar/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos