Atentado na Colômbia mata oito policiais e desafia 'paz total' de Petro

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um ataque com explosivos em uma zona rural no sudoeste da Colômbia matou oito policiais nesta sexta (2), informou o presidente do país, Gustavo Petro, numa rede social. Este é o mais grave atentado contra forças de segurança desde que ele assumiu o poder, no início do mês passado.

A polícia afirma que os agentes morreram quando o veículo em que estavam foi atingido por explosivos em San Luis, em Huila. O povoado fica a cerca de duas horas de Neiva, capital do departamento.

Petro não nomeou os autores do ataque, mas sabe-se que dissidentes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) operam na região. Segundo dados do governo, cerca de 2.400 guerrilheiros rejeitam o acordo de paz negociado por sua antiga liderança em 2016.

O primeiro presidente de esquerda da Colômbia busca avançar nas tratativas de paz com o Exército de Libertação Nacional (ELN), deixados de lado em 2019, após um ataque contra uma escola de polícia que deixou 21 mortos e 68 feridos.

Também propõe o que chama de um "cessar-fogo multilateral" com os dissidentes e as quadrilhas de narcotráfico, parte de sua política de "paz total" para dar um fim ao conflito armado que assombra o país sul-americano há quase seis décadas.

Facções das dissidências e alguns narcotraficantes ligados ao poderoso Clã do Golfo demonstraram interesse no cessar-fogo, mas ainda não chegaram a um acordo com o governo.

Para Petro, o atentado de agora é uma clara "tentativa de sabotagem à paz total", como escreveu no Twitter. Ele acrescentou que pediu às autoridades para investigar o caso.