Quem é Atila Iamarino e por que você deveria assisti-lo

Grasielle Castro
Atila Iamarino é biólogo, doutor em microbiologia pela USP (Universidade de São Paulo), com pós-doutorado pela USP e pela Yale University.

“Você viu a live do Átila? Veja. Devastador”. Foi assim que eu fiquei sabendo que um vídeo do YouTube ia pautar minha noite de sexta-feira (20). Em 1 hora e 16 minutos — vídeo que parece longo —, o cientista Atila Iamarino explica didaticamente por que países como Estados Unidos e Inglaterra mudaram de estratégia no combate ao coronavírus.

Com auxílio das divulgadoras científicas Camila Laranjeira e Vivi Mota, do @canalpeixebabel, Atila teve acesso ao estudo Impact of non-pharmaceutical interventions (NPIs) to reduce COVID19 mortality and healthcare demand, de 16 de março. É este o material que dá base para ele fazer a estimativa de um milhão de mortes no Brasil.

E como ele mesmo enfatiza na transmissão, isso só ocorrerá, caso nada seja feito. O que não é a realidade. Mesmo o que haja críticas, o Brasil tem tomado medidas de combate à disseminação do vírus, o que o próprio cientista sinaliza. O número assustou. E o vídeo se tornou um dos assuntos mais comentados do fim de semana. Para se ter ideia, enquanto escrevo este texto, o vídeo já foi visto mais de 4,6 milhões de vezes.

Logo no início, ele faz um alerta: “Se você está muito ansioso, muito preocupada com o que está acontecendo, recomendo pular essa live. (…) Vai ser uma conversa com números e uma conversa que não vai ser muito legal”.

Na live, ele mostra dados e explica que os EUA e a Inglaterra, que vinham minimizando os esforços, mudaram de ideia quando tiveram acesso a documentos que mostram o impacto da doença covid-19 no sistema de saúde. “O estudo concluiu que 80% dos ingleses ou americanos poderiam pegar o coronavírus se nada fosse feito para conter o vírus. E de repente, a mortalidade de 3%, 2%, que parece pequena, fica gigante. Ainda assumiram uma mortalidade mais baixa do que está sendo vista no mundo”, diz ele. E o resultado é esse gráfico abaixo:

O gráfico mostra o que acontece caso nada seja feito, caso haja isolamento de casos,...

Continue a ler no HuffPost