Atirador de Aracruz planejava invadir escolas desde 2020 e é 'simpatizante de ideias nazistas', diz polícia

O atirador que invadiu duas escolas em Aracruz, no Espírito Santo, nesta sexta-feira, alegou à Polícia Civil que planejava os ataques desde 2020. O delegado do caso, André Jaretta, também destacou já ter sido possível identificar, pelas análises preliminares, que o assassino é um "simpatizante de ideias nazistas". As informações foram reveladas, nesta segunda-feira, em coletiva de imprensa pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Espírito Santo (Sesp).

Depoimento: atirador de Aracruz diz que agiu sozinho; polícia investiga se outros estão envolvidos

Quadro de saúde das vítimas: duas professoras e duas crianças seguem em estado grave após atentados a escolas em Aracruz

— Os pais deixaram claro que ele fazia acompanhamento com psicóloga e psiquiatra, tomava medicação, mas não se abria muito — explicou o delegado à frente das investigações. De acordo com ele, o adolescente também confessou que manuseava o armamento, um revolver calibre .38, sempre que os pais não estavam em casa, para ganhar intimidade com o equipamento.

A Polícia Civil informou ainda que pai "tinha a cautela de manter a arma com um cadeado", ainda que não estava dentro de um cofre, por exemplo. O armamento foi encontrado pelos policiais na "parte superior do armário, envolto em um pano branco".

Jaretta disse que o jovem alegou, na versão apresentada às autoridades policiais, não ter alvo específico e ter escolhido aleatoriamente em quem atirar. O investigador afirmou que, no momento, o garoto não estava estudando e que havia parado de frequentar o colégio no primeiro ano do ensino médio.

— Ele as manuseava sempre que tinha a oportunidade de ficar sozinho. Nós não temos, até o momento, informações de que ele já tinha tido a oportunidade de realizar disparos. Isso demanda tempo. A polícia está atenta aos fatos e será rigorosa nas análises. Não seremos irresponsáveis e atuaremos dentro da legalidade — complementou André Jaretta.

Assassino agiu com naturalidade após o crime

O superintendente de Polícia Regional Norte, delegado João Francisco Filho, detalhou o passo a passo do adolescente depois do crime cometido. Segundo ele, o assassino foi sozinho até um local para tirar as fitas que cobriam a placa do carro, voltou para a casa de praia da família em Mar Azul, em Coqueiral de Aracruz, pegou todos os itens que usou para cometer os assassinatos e os guardou para não levantar suspeita aos pais.

— [Ele] coloca tudo onde estava e fica no interior da casa como se nada tivesse acontecido. Os pais chegam e ele reage naturalmente. Os pais já sabiam do atentado, comentam com ele e ele se faz de desentendido. Eles tinham o hábito de ir na casa. Foi enquanto eles estavam que a força-tarefa conseguiu descobrir quem seria o autor e onde ele estava estava — explicou João Francisco Filho.

Como o crime aconteceu?

Por volta das 9h50, o adolescente, armado, vestindo uma farda camuflada e com o rosto coberto, arrombou o cadeado do portão da escola pública Primo Bitti e foi direto à sala dos professores, onde atirou em professoras. Duas morreram. Depois, ele voltou ao carro e se dirigiu ao segundo colégio, particular, onde também disparou contra quem via pela frente. Uma menina de 11 anos morreu. Ao todo, 11 pessoas ficaram feridas. Ele, então, fugiu com o carro, que estava com a placa encoberta por fitas. Ele seria capturado horas depois.

Onde ele conseguiu a arma?

O garoto usou uma arma que pertence ao pai, que é tenente da Polícia Militar do Espírito Santo. De acordo com as autoridades policiais, ele e a mãe colaboraram para que o filho se entregasse.

Ele confessou o crime?

Sim. Ao ser apreendido em casa, o garoto confirmou que realizou os ataques. Disse, também, que planejava o crime há 2 anos, ou seja, quando tinha apenas 14 anos. A polícia ainda investiga a motivação.

Quem são os mortos?

As vítimas são duas professoras, baleadas na escola pública, cenário do primeiro ataque, e uma criança de apenas 11 anos, atingida no segundo colégio, particular. Os nomes não foram divulgados.

E o carro?

Após o crime, o atirador entrou no carro, um Renault Duster dourado, visto por várias testemunhas, e fugiu. A polícia agora já sabe que ele voltou para casa para devolver o veículo, que pertence ao pai. O automóvel chegou a ser apreendido no momento em que o rapaz foi apreendido.

Ele era ex-aluno de alguma das ecolas atacadas?

Durante a coletiva de imprensa, o secretário de Educação revelou que o atirador era ex-aluno da escola estadual Primo Bitti. Os pais teriam pedido transferência do rapaz este ano, mas o motivo para esta decisão ainda será esclarecido pelas autoridades.