Ativista da revolução egípcia é libertado após mais de dois anos

·1 min de leitura
(Arquivo) O ativista palestino-egípcio Ramy Shaath (AFP/-) (-)

O militante político palestino-egípcio Ramy Shaath, um dos símbolos da revolução egípcia de 2011, foi libertado após passar mais de dois anos na prisão, informou nesta segunda-feira (3) à AFP uma fonte judicial.

Shaath, de 48 anos, coordenador no Egito do movimento Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS, que defende o boicote de Israel na luta contra a ocupação dos territórios palestinos), estava detido desde julho de 2019, acusado de fomentar "distúrbios contra o Estado".

Sua esposa francesa, Céline Lebrun, foi expulsa do Egito e mandada de volta à França quando Shaath foi detido.

"Rami Shaath foi libertado pela Procuradoria Geral nesta segunda-feira à noite", afirmou a fonte judicial à AFP, sem dar mais detalhes.

O Egito tem mais de 60.000 presos por crimes de opinião, segundo diversas ONGs.

O governo dos Estados Unidos considera que a nação africana comete violações de direitos humanos em todos os campos e decidiu congelar 10% da ajuda enviada ao país.

str-bam/hj/awa/eg/mis/rpr/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos