Ativista transexual é agredida com socos na Lapa ao defender vítima de assédio sexual

·1 minuto de leitura

Rio - Uma ativista transexual foi agredida com socos ao defender uma vítima que estava sofrendo assédio sexual, na Lapa, Região Central do Rio, na madrugada de sábado, dia 7 de agosto. Indianara Siqueira, que é fundadora da Casa Nem, espaço que abriga a população LGBTQIA+ em situação de rua e vulnerabilidade social, foi socorrida por amigos e levadainconsciente para o Hospital Municipal Souza Aguiar, onde foi atendida e levou pontos no rosto. O caso será registrado nessa manhã, na 5ª DP (Mem de Sá).

"Somente agora tenho condições físicas e psicológicas de denunciar. Eu fui defender uma das nossas acolhidas que estava sofrendoassédio. O agressor me atacou com dois socos no lado direito do rosto, desmaiei e bati com a cabeça no chão. Ainda me roubaram dois celulares e minha bolsa, inclusive cartões de crédito", relatou Indianara Siqueira.

"O homem usou da força e lesão corporal para efetuar o roubo epraticar o crime. Além da importunação sexual contra a travesti conhecida como Dani, que é acolhida pela Casa Nem”, explicou a advogada Paula Alves, que irá acompanhar Indiana na delegacia e afirma que ela foi vítima de roubo com emprego de violência e grave ameaça.

De acordo com elas, Dani, a travesti agredida, também precisou de atendimento médico e levou pontos no rosto.

Indiaana já teve sua vida contada pelo cinema internacional, com o filme exibido no festival de Cannes. Militantes pelos direitos LGBTQIA+ estão organizando uma manifestaçãona porta da delegacia, por volta de 11h.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos