Ativista transexual é agredida com socos na Lapa ao defender vítima de assédio sexual

·1 minuto de leitura

Uma ativista transexual foi agredida com socos ao defender uma vítima que estava sofrendo assédio sexual, na Lapa, Região Central do Rio, na madrugada de sábado, dia 7 de agosto. Indianara Siqueira, que é fundadora da Casa Nem, espaço que abriga a população LGBTQIA+ em situação de rua e vulnerabilidade social, foi socorrida por amigos e levada inconsciente para o Hospital Municipal Souza Aguiar, onde foi atendida e levou pontos no rosto. O caso será registrado nessa manhã, na 5ª DP (Mem de Sá).

"Somente agora tenho condições físicas e psicológicas de denunciar. Eu fui defender uma das nossas acolhidas que estava sofrendo assédio. O agressor me atacou com dois socos no lado direito do rosto, desmaiei e bati com a cabeça no chão. Ainda me roubaram dois celulares e minha bolsa, inclusive cartões de crédito", relatou Indianara Siqueira.

"O homem usou da força e lesão corporal para efetuar o roubo e praticar o crime. Além da importunação sexual contra a travesti conhecida como Dani, que é acolhida pela Casa Nem”, explicou a advogada Paula Alves, que irá acompanhar Indiana na delegacia e afirma que ela foi vítima de roubo com emprego de violência e grave ameaça.

De acordo com elas, Dani, a travesti agredida, também precisou de atendimento médico e levou pontos no rosto.

Indiaana já teve sua vida contada pelo cinema internacional, com o filme exibido no festival de Cannes. Militantes pelos direitos LGBTQIA+ estão organizando uma manifestação na porta da delegacia, por volta de 11h.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos