Ativistas pedem que líderes do G20 acabem com desigualdade global de vacinas

·1 min de leitura
Ativistas fazem manifestação em Roma pelo fim da desigualdade global de vacinas

ROMA (Reuters) - Ativistas de instituições de caridade realizaram um protesto relâmpago em Roma nesta sexta-feira, antes da cúpula do G20, para pedir aos líderes das maiores economias do mundo que acabem com as desigualdades entre as nações no que diz respeito ao acesso a vacinas e tratamentos contra a Covid-19.

Os ativistas se reuniram em torno de um caixão com uma faixa que dizia "5.000.000 de mortes", simbolizando as vítimas mundiais da doença.

"O que exigimos do G20 é distribuir as vacinas existentes de uma maneira mais justa para que todos tenham acesso a vacinas, onde quer que ele ou ela viva", disse o coordenador da Oxfam para o G20, Jorn Kalinsky, à Reuters.

Dois manifestantes usavam ternos, máscaras brancas e cartazes ao redor do pescoço dizendo "CEO de farmacêutica" enquanto atiravam dinheiro falso na rua. Outro manifestante portava um cartaz que dizia: "Quero uma vacina do povo, não uma vacina do lucro."

Oxfam, Anistia Internacional e o grupo italiano Emergência pediram aos líderes do G20 que encontrem soluções imediatas para salvar vidas, dizendo que a suspensão de patentes de vacina ajuda a aumentar a produção e auxilia países incapazes de pagar os preços exigidos pelo setor.

Ministros da Saúde e das Finanças do G20, que se reúnem nesta sexta-feira antes da cúpula dos líderes, disseram que visam garantir que 70% da população mundial esteja vacinada contra a Covid-19 até meados de 2022, mas não tomaram nenhuma iniciativa para a dispensa de patentes de vacina.

(Por Angelo Amante)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos