Ativos em campanhas, clubes são tímidos diante de acusação de assédio sexual na CBF

·2 minuto de leitura

Existem duas linhas de conduta entre os clubes de futebol, que às vezes não se cruzam: a das ações publicitárias e a da vida real. Nem sempre o que é pregado em troca de boa reputação é praticado quando se tem a chance. O caso da acusação de assédio sexual e moral contra o presidente da CBF, Rogério Caboclo, é um bom exemplo disso.

Apesar de as campanhas contra a violência contra a mulher se tornarem cada vez mais recorrentes na comunicação dos clubes brasileiros, o episódio envolvendo o dirigente máximo do país nem sempre tem abordagem proporcional. Flamengo e Fluminense, procurados pela reportagem, afirmaram que não iriam se pronunciar a respeito das acusações que fizeram com que Caboclo fosse afastado temporariamente do cargo.

O silêncio contrasta com a campanha rubro-negra de 2020, que abriu espaço no Maracanã para o atendimento de rubro-negras vítimas de assédio. Em2018, o tricolor jogou um clássico contra o Vasco de luto pelas vítimas de violência contra mulher.

Uma das ações mais recentes no futebol carioca foi a do Vasco. O zagueiro Ricardo Graça entrou em campo com um "X" vermelho no lugar da cruz de malta e o telefone para denúncias estampado na camisa. Até a publicação da reportagem, o clube não havia respondido ao pedido para que se posicionasse a respeito das acusações contra Caboclo.

Entre os grandes do Rio, o Botafogo foi o único que se posicionou:

"O Botafogo apenas tem conhecimento do caso através de informações veiculadas na imprensa. Se confirmadas, as denúncias são muito sérias e graves. O Clube monitora o andamento com máxima atenção e aguarda a investigação que está em curso na Comissão de Ética da CBF".

Paulistas fazem pronunciamento em conjunto

Na teoria, o desconforto dos clubes paulistas para se pronunciarem sobre o caso seria maior. Rogério Caboclo é do futebol do estado, saiu da Federação Paulista de Futebol para a CBF.

No caso do São Paulo, é pior. Caboclo faz parte do Conselho Vitalício do clube. Sua história com o tricolor do Morumbi é antiga, seu pai, Carlos Caboclo, foi dirigente famoso nas décadas de 1970 e 1980. Ainda assim, o clube se manifestou a respeito e disse, em nota oficial, que aguardará o resultado da investigação pelo Comitê de Ética da CBF para tomar qualquer decisão sobre o status de Caboclo no quadro social.

Os clubes paulistas contaram com a ajuda da Federação Paulista de Futebol para evitar maiores desgastes com o dirigente. Em uma nota assinada por todos os integrantes da Série A1 paulista, a entidade afirmou que "prezando por transparência, conduta ética e moral, o Futebol Paulista segue unido e acompanhando atentamente todas as apurações envolvendo o caso. A FPF e os clubes paulistas entendem que medidas céleres e justas devem ser tomadas, para que o futebol brasileiro continue seu rumo de desenvolvimento e profissionalização".