Atlético-PR bate Londrina nos pênaltis e está na final do Paranaense

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Após perder o jogo de ida por 2 a 1, o Londrina devolveu o resultado e venceu o Atlético-PR por 2 a 1 no jogo de volta da semifinal do Campeonato Paranaense neste domingo (23). O placar combinado (3 a 3) levou a decisão da vaga para os pênaltis, mas o Atlético foi superior, venceu nas cobranças e garantiu a vaga na final.

Rafael Gava bateu a quarta cobrança do Londrina na trave. Luís Henrique cobrou o pênalti decisivo para o Atlético-PR e garantiu a classificação. A final será contra o Coritiba.

O jogo aconteceu no Estádio do Café, em Londrina, para um público de cerca de 7 mil torcedores. Para avançar o Londrina precisava vencer por dois ou mais gols de diferença. Logo aos 12 minutos o zagueiro Marcão, do Atlético-PR, levou cartão amarelo depois de falta em Yaya. O jogo começou travado, com os dois times marcando bastante.

A primeira boa chance apareceu aos 26 minutos do primeiro tempo, para o Atlético-PR, com boa jogada de Marcondes. No lance seguinte, foi a vez do Londrina assustar. Igor Bosel acertou cruzamento na cabeça de Paulo Rangel que cabeceou para o gol com muito perigo, mas o goleiro Santos afastou no reflexo.

O Londrina continuou aumentando a pressão, e Yaya acertou a trave depois de cobrança de falta de Celsinho para dentro da área. Aos 39 minutos e pressionando muito, o Londrina abriu o placar com gol de Paulo Rangel. Depois do cruzamento de Celsinho pela esquerda, Rangel recebe e mandou de cabeça para a rede.

Logo após a bola começar a rolar no segundo tempo, aos 7 minutos, o Londrina manteve a intensidade e conseguiu ampliar o placar. Celsinho brigou pela bola na entrada da área, invadiu depois de levar a melhor e chutou cruzado uma bola cheia de efeito sem chance para o goleiro.

Mesmo após o segundo gol, o Londrina manteve a pressão sobre o Atlético-PR, que mais defendia-se do que atacava. Aos 35 minutos, depois de poucas chances, o Atlético-PR marcou. Em contra-ataque em velocidade, a zaga do Londrina ficou perdida no reposicionamento, Luis Henrique recebeu e passa para Renan Paulinho, que enfiou para Nicolas empurrar para o gol.

A decisão entre os dois times foi cheia de polêmicas e provocações desde antes da partida. Tudo começou quando o Atlético-PR pediu a antecipação da data para sexta-feira (21), com o argumento de que teria mais tempo se preparar para a Libertadores, na quarta-feira (26). O Londrina negou e integrantes das duas equipes disparam provocações contra o rival.

YOUTUBE

Acabou em pizza toda a confusão do cancelamento do clássico entre Atlético-PR e Coritiba que seria jogado no dia 19 de fevereiro e acabou não sendo realizado após intervenção da FPF (Federação Paranaense de Futebol) por conta da transmissão do jogo feita pelos clubes no YouTube.

No início do mês, o TJD-PR (Tribunal de Justiça Desportiva do Paraná) decidiu por absolver todos os envolvidos no cancelamento do jogo. A FPF, que havia sido multada em R$ 20 mil, foi absolvida por unanimidade.

O quarteto de arbitragem, incluindo o quarto árbitro Rafael Traci, que foi flagrado em vídeo justificando a ordem do cancelamento a pedido da FPF, também escapou sem punição. Na época, o motivo alegado foi que os profissionais que fariam a captação das imagens não estavam credenciados.

Cerca de 25 mil pessoas estavam na Arena da Baixada e tiveram de ir embora sem ver o jogo, que veio a ser realizado no dia 1º de março, com vitória do Atlético por 2 a 0 e transmissão via YouTube. Também foram absolvidos todos os dirigentes é funcionários de Atlético e Coritiba que haviam sido condenados em primeira instância.

"Foram absolvições contra as quais haverá novo recurso ao STJD. O pleno absolveu a Federação, retirando a obrigação de pagamento de multa ou qualquer outra pena. Frustraram mais de 450 mil pessoas envolvidas com o jogo, todo mundo pôde presenciar. Mas ontem o nosso tribunal entendeu que é assim mesmo, que foi tudo normal", disparou o procurador Henrique Cardoso, responsável pela denúncia no TJD.