Atleta olímpica bielorrussa em conflito com suas autoridades chega em Viena

·3 minuto de leitura
Krystsina Tsimanóuskaya (centro) no aeroporto japonês de Narita antes de voo para Viena, em 4 de agosto de 2021 em Tóquio

O avião que transportava a velocista olímpica bielorrussa Krystsina Tsimanouskaya, que partiu de Tóquio precipitadamente devido a um conflito com as autoridades esportivas de seu país, pousou em Viena nesta quarta-feira (4), a princípio uma simples escala em sua viagem para a Polônia, que lhe concedeu um visto humanitário.

O avião da companhia aérea Austrian Airlines pousou no aeroporto da capital austríaca às 15h00 locais (10h00 no horário de Brasília), observou um jornalista da AFP.

Um carro a aguardava longe dos vários jornalistas presentes.

O governo polonês informou nesta quarta-feira que também concedeu um visto humanitário ao marido da velocista.

"Posso acrescentar que neste momento o marido da senhora Tsimanouskaya também obteve um visto humanitário polonês", declarou à imprensa Piotr Muller, porta-voz do governo.

A atleta de 24 anos, que está em conflito com as autoridades esportivas de seu país, planejava inicialmente um voo direto Tóquio-Varsóvia hoje com a companhia aérea polonesa LOT.

Segundo o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, não há entrevista coletiva prevista para a chegada da atleta a Viena.

O primeiro-ministro polonês, Mateusz Morawiecki, afirmou ter falado com a velocista. "A Polônia continuará a apoiar ativamente toda nação bielorrussa e os militantes da oposição que são perseguidos", escreveu ele no Facebook.

Representantes da Fundação Bielorrussa de Solidariedade Esportiva (BSSF), organização que apoia atletas perseguidos pelo governo de Belarus, receberão Tsimanóuskaya na chegada ao aeroporto de Varsóvia, bem como outros militantes bielorrussos pró-democracia.

- Investigação do Comitê Olímpico -

A atleta explicou no domingo ter escapado de ser repatriada à força para Belarus, dias depois de criticar a federação de atletismo de seu país nas Olimpíadas de Tóquio.

Segundo Tsimanóuskaya, a federação bielorrussa queria forçá-la a participar do revezamento 4x400 metros, ao que a atleta mostrou sua indignação, já que planejava correr apenas os 100 e 200 metros.

Temendo ser presa se voltasse, Tsimanóuskaya obteve ajuda do Comitê Olímpico Internacional (COI) e proteção policial, enquanto estava no aeroporto de Tóquio-Haneda.

O COI lançou uma investigação oficial sobre o assunto. Seu porta-voz, Mark Adams, disse nesta quarta-feira que recebeu um relatório do Comitê Olímpico de Belarus que está "sendo avaliado".

O incidente gerou condenação internacional de Belarus, uma ex-república soviética governada com punho de ferro pelo presidente Alexander Lukashenko desde 1994. Seu filho chefia o comitê olímpico nacional.

"O regime de Lukashenko tentou cometer um novo ato de repressão transnacional (...) Atos como este violam o espírito olímpico, são um atentado aos direitos fundamentais e não podem ser tolerados", reagiu no início da semana o secretário de Estado americano, Antony Blinken.

O movimento pró-democracia de Belarus, que protagonizou manifestações em massa em 2020, está sendo duramente reprimido pelo governo. Milhares de opositores já foram detidos, ou forçados ao exílio.

O líder de uma ONG bielorrussa, Vitali Shishov, exilado na Ucrânia, foi encontrado enforcado na terça-feira em um parque de Kiev perto de sua casa. Segundo a polícia local, pode ser um "homicídio disfarçado de suicídio".

anb/bg/jf/pc/grp/es/mr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos