Atleta trans participará de seletiva dos EUA para Jogos Olímpicos de Tóquio-2020

Megan Youngren, de 29 anos, busca uma vaga em Tóquio-2020

Pela primeira vez, uma atleta trans participará da seletiva dos Estados Unidos para Tóquio-2020. Megan Youngren, de 29 anos, teve excelente desempenho entre as mulheres na Maratona Internacional da Califórnia, em dezembro, e se credenciou a disputar uma vaga nos Jogos Olímpicos a partir do próximo dia 29.

— As pessoas vão tentar te desanimar dizendo que “por você ser trans é mais fácil”. Mas e as outras 500 mulheres que vão se qualificar? Treinei muito. Eu tive sorte. Ignorei lesões. Eu corri muito e deu certo para mim. Essa é a mesma história de um monte de gente” — declarou a atleta, que completou o processo de transição iniciado em 2012 no ano passado, ao site "Daily Caller".

Para que as atletas trans possam competir com o gênero que se identificam, o Comitê Olímpico Internacional exige que elas mantenham os níveis de testosterona abaixo de um certo limite. Porém, de acordo com o "Daily Caller", algumas pesquisas científicas indicam que suprimir o hormônio não é o suficiente para neutralizar as vantagens naturais de atletas biologicamente masculinos.

Em setembro do ano passado, durante uma entrevista, a ex-corredora olímpica Rebecca Dussault disse que a entrada de mulheres trans em esportes femininos terá consequências desastrosas nas atletas que nasceram biologicamente como mulheres.

— Depois da puberdade, um corpo masculino recebe benefícios. Como na estrutura do esqueleto, a capacidade do pulmão, densidade muscular [...]. Fisiologicamente, eles são projetados de forma diferente das mulheres. Investimos muito dinheiro para manter as práticas esportivas justas, e isso estraga tudo. Todo recorde esportivo feminino vai cair — disse Rebecca.