Atletas fazem travessia entre prédios no Anhangabaú no 2º dia da Virada Esportiva

São Paulo, SP, BRASIL, 06-11-2022:  Virada  Esportiva 2022.  Highline sobre  viaduto do Cha no centro de São Paulo: Atleta Paulo Vinicius Rasta se equilibra no slackline sobre viaduto do Cha  (no vale do Anhangabaú) para cruzar os 300 metros de extensão do predio do a Prefeitura de SP ate edifício depois do Teatro Municipal (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)
São Paulo, SP, BRASIL, 06-11-2022: Virada Esportiva 2022. Highline sobre viaduto do Cha no centro de São Paulo: Atleta Paulo Vinicius Rasta se equilibra no slackline sobre viaduto do Cha (no vale do Anhangabaú) para cruzar os 300 metros de extensão do predio do a Prefeitura de SP ate edifício depois do Teatro Municipal (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O segundo dia da 15° Virada Esportiva de São Paulo agitou a região central da capital paulista. Atletas realizaram uma travessia highline sobre o vale do Anhangabaú, a 46 metros de altura, impressionando o público.

O esporte, que costuma ter como cenário a travessia entre cânions e formações rochosas, na Virada foi feita em uma fita com 300 metros de comprimento, instalada entre os edifícios Matarazzo, sede da prefeitura, e Marcos Palma, da CET (Companhia de Engenharia de Trafego).

Vitor Mazará, 33, foi um dos atletas a completar o trecho. Ele veio de Florianópolis, em Santa Catarina, a convite dos amigos e organizadores do evento Paulo Vinícius e Leandro Costa.

"Fiquei muito ansioso para andar nessa linha. Sempre foi um sonho atravessar a cidade de São Paulo por cima com grandes amigos e atletas do país. Ótimo receber gritos de incentivo, ver a surpresa das pessoas, além de poder caminhar vendo toda a arquitetura do centro da cidade", diz Mazará.

Joel Soares, 33, mais conhecido como Máquina, também saiu de Florianópolis para realizar a travessia. Por três vezes, ele foi o melhor atleta latino-americano na modalidade.

"A sensação de andar sobre as ruas de São Paulo foi única, jamais sentida por mim antes em qualquer outra linha. [...] Sou grato pelo convite da família highline aqui de São Paulo para participar desse incrível projeto", declara o atleta.

No viaduto do Chá, também no centro da capital, a adrenalina era a mesma, mas no solo. Centenas de pessoas de todas as idades mostraram suas habilidades na Skate Run, uma das maiores corridas de skate do mundo.

O evento voltou a São Paulo após sete anos e teve o skatista Sandro Dias, o Mineirinho, como padrinho.

Lucas Fernandez, 23, deixou a capital federal, Brasília, na noite deste sábado (5) apenas para participar da Skate Run. O voo de volta do jovem foi agendado para às 21h deste domingo (6). "E eu nem posso me atrasar. Amanhã tenho aula e meus pais já estão pegando no meu pé", diz.

Neste sábado, foram promovidos torneios de beach tennis, sucesso entre os paulistanos, além de atividades mais radicais: uma megatirolesa e uma plataforma de bungee jump foram instaladas no Parque Chácara do Jóquei, na Vila Sônia (zona sul de SP).

O público também pôde participar de partidas amistosas e aulas de esportes variados, como xadrez, quendô e atletismo. Promovido pela prefeitura, o evento reuniu centenas de atividades esportivas gratuitas em parques, CEUS e CDCs (clubes da comunidade).