Ato de Lula em Recife em apoio a Danilo Cabral teve vaias ao PSB e coro a favor de Marília Arraes; veja vídeo

Em ato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em Recife, nesta quinta-feira, o senador Humberto Costa (PT) e o prefeito de Recife, João Campos (PSB), foram vaiados ao defenderem o pré-candidato ao governo de Pernambuco, Danilo Cabral (PSB).

Em Recife: Lula cita crédito e diz que fez mais por ruralistas do que Bolsonaro

Guia O GLOBO Eleições: conheça os pré-candidatos ao governo e ao Senado nos estados e quem eles apoiam para presidente

As vaias foram feitas por apoiadores da deputada federal e pré-candidata do Solidariedade ao governo do estado, Marília Arraes, que lidera as pesquisas de intenção de voto. O desempenho de Arraes, ex-petista, tem ameaçado a hegemonia de 16 anos dos pessebistas em Pernambuco.

O senador Humberto Costa foi o primeiro a ser alvo do público pró-Marília. Ao defender a candidatura de Cabral e a unidade com Lula, o senador enfrentou as vaias e conseguiu mobilizar a militância do PSB. O senador precisou levantar a voz para continuar seu discurso enquanto andava pelo palco. Em determinado momento, se voltou para Lula e disse que o ex-presidente poderia ficar tranquilo porque ele não tem medo de vaia:

— Eu não tenho medo de vaia. Quem tiver que vaiar, vá vaiar Bolsonaro e não os políticos que estão aqui — disse, para completar: — Nós temos botar o secundário de lado e defender o Brasil, o povo pobre, a liberdade e a democracia. É por isso, presidente, que aqui em Pernambuco eu não tenho medo de dizer, nós formamos uma aliança política com o PSB para garantir a sua vitória, no estado e no Brasil. Eu poderia ter mantido meu projeto, mas nós estamos vivendo um desafio, derrotar o facismo. Não podemos permitir que o projeto individual seja maior do que o projeto político e coletivo. Isso que faz nossa unidade — defendeu.

O prefeito de Recife também foi um dos vaiados. Campos entrou no palco durante uma brecha dos gritos, mas logo que começou seu discurso os apoiadores de Marília Arraes voltaram a gritar pelo nome da pré-candidata.

— Eu gostaria de fazer uma saudação muito especial a aqueles que têm divergência da nossa caminhada e do nosso projeto. Estamos em uma democracia, como o presidente Lula disse, parafraseando Paulo Freire, agora é hora de juntar os divergentes para combater os antagônicos. Temos que entender que os nossos reais adversários estão do lado daqueles que estão promovendo a fome — disse.

Faça o teste e descubra: você conhece todos os pré-candidatos à Presidência

Maracanãzinho: Campanha de Bolsonaro aponta 'ação de robôs' para tentar esvaziar convenção do PL

Quando Cabral levanta para fazer sua explanação, entra ao palco já com gritos divididos entre seu nome e de Marília. Em determinado momento, seus companheiros que também estão no palco levantam e fazem movimentos para que o público se acalme. O pré-candidato do PSB comenta que manifestações por Marília e vaias fazem parte da liberdade de expressão de todos.

— Eu cumprimento esse público que está aqui. Inclusive a todos os companheiros que estão aí, nesse momento, participando dessa atividade, mas não concordam com a nossa posição neste momento. Cumprimento a todos — diz, antes de ser interrompido pelo público.

Deputado federal por três mandatos, Cabral disputa sua primeira eleição majoritária e é pouco conhecido no estado. Ele pretende se tornar mais competitivo ao ser apresentado pelo próprio ex-presidente como o candidato do Lula.

Em diversos momentos, o público pediu em coro o nome de Marília, o que fez o presidente estadual do PT, o deputado estadual Doriel Barros, a trocar o nome da pré-candidata petista ao senado, Teresa Leitão(PT), pelo da ex-petista.

— Estamos reunindo todos, para fazer a luta do campo, a luta da cidade, para que a gente possa dar uma grande vitória a Lula, a Danilo e a Marília, a nossa senadora.

Marília deixou o PT em março deste ano após ser preterida na disputa para o governo do estado em nome da aliança nacional com o PSB. Apesar disso, continua defendendo a pré-candidatura de Lula à Presidência. Na semana passada, a deputada posou para fotos ao lado do ex-presidente e seu vice, Geraldo Alckmin (PSB), em Brasília. Nas redes sociais, grava vídeos falando do seu alinhamento com Lula e faz provocações a Cabral.

Lauro Jardim: Bolsonaro faturou mais que Lula com declaração do apoio de Anitta ao petista

Eleições 2022: Chapa Lula-Alckmin é oficializada em convenção sem a presença dos candidatos

Para não criar embaraços com a aliança entre PT e PSB, a pré-candidata foi preterida das agendas de Lula em Pernambuco.

No evento, Lula oficializou seu apoio a Cabral. Este foi o segundo e último dia do pré-candidado a presidência do PT no estado nordestino.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos