Ator de "Esqueceram de Mim" é acusado de estupro

Devin Ratray no filme
Devin Ratray no filme "Esqueceram de Mim" (1990). Ao lado, ele na pré-estreia de "The Tick" em Village East Cinema em agosto de 2017 em Nova York. (Foto: Paul Zimmerman/WireImage)

O ator Devin Ratray, que interpretou o irmão mais velho de Macaulay Culkin no clássico "Esqueceram de Mim" (1990), está sendo acusado de estupro. A denúncia foi feita em 2017, mas a vítima só veio a publico comentar sobre o caso após descobrir que foi encerrado pela polícia.

De acordo com informações da "CNN", a acusação surgiu após o ator ser preso por violência doméstica em 2021 por sua ex-namorada. Ratray nega a acusação de estupro.

A queixa foi feita por Lisa Smith, que, ao descobrir que Retray havia sido preso, procurou a polícia para descobrir o motivo da sua denúncia contra o ator, feita em 2017, em Nova York, não ter sido investigada. Ela revelou que descobriu que os promotores entenderam que ela preferia permanecer anônima e não prestar queixa. Por conta disso, o caso foi arquivado.

"Lembro de acordar e não conseguir me mexer. Não conseguia abrir os olhos, mas podia ouvir o que estava acontecendo e sentir o que estava acontecendo. Eu sabia que as outras duas pessoas tinham ido embora e eu ainda estava no sofá", relatou Lisa à emissora. Ela informa que fez a denúncia poucas semanas após a data que o crime teria acontecido.

Na entrevista à "CNN", ela declarou que ficou devastada ao descobrir que o caso havia sido encerrado, já que cooperou com a investigação. Lisa viajou de Utah, onde mora atualmente, para conversar com os investigadores no Ministério Público de Manhattan, em Nova York. Ela também entregou a roupa que usava no dia em que o crime teria ocorrido para fazerem a análise de DNA.

Devin Ratray conversou com o veículo e afirmou que se lembra de ter encontrado Lisa, mas nega o crime. "Nós não fizemos sexo", declarou. O artista reforçou que o encontro teria sido consensual, mas não podia fazer sexo porque era "impotente". A reportagem informa que a polícia de Nova York não se pronunciou sobre o tratamento do caso, mas um porta-voz declarou que está em contato com Lisa para obter mais informações sobre o crime.