Ator pornô Ron Jeremy sofre de demência e não será julgado por estupro

O ator pornô Ron Jeremy sofre de "demência grave" e será declarado inapto para ser julgado por estupro, informou um jornal americano nesta sexta-feira (6).

Jeremy, que já apareceu em mais de 1.700 filmes adultos desde a década de 1970, passou por exames psiquiátricos antes de ser julgado por várias acusações de agressão sexual contra 21 mulheres e meninas.

O Los Angeles Times citou um e-mail vazado no qual especialistas em saúde mental da acusação e da defesa concluíram que Jeremy está mentalmente incapacitado, com poucas chances de recuperação.

"Como resultado do acordo entre os especialistas, o réu será considerado incompetente para enfrentar o julgamento (...) Seu prognóstico de melhora não é bom", escreveu o promotor distrital do condado de Los Angeles, Paul Thompson, no e-mail, segundo o jornal.

"Se ele não melhorar, não poderemos julgá-lo por seus crimes. Como o processo criminal é suspenso se ele for incompetente, também não podemos fazer com que ele se declare culpado ou discuta outras medidas para trazer justiça para as vítimas neste caso."

Jeremy foi indiciado inicialmente em janeiro de 2020, e a Promotoria juntou outra série de processos contra ele por crimes que teriam sido cometidos durante várias décadas de sua carreira.

O ex-ator pornô negou as acusações contra ele.

O juiz George Lomeli ordenou uma avaliação psiquiátrica depois que um de seus advogados, Stuart Goldfarb, disse que visitou Jeremy em uma cela antes de uma audiência e que o ex-ator pornô não conseguiu reconhecê-lo.

A alegação de incompetência mental não é definitiva e, se a saúde mental do réu melhorar com o tratamento, ele poderá ser julgado posteriormente.

No entanto, a demência é uma doença progressiva e geralmente degenerativa.

Jeremy, 69, cujo nome verdadeiro é Ronald Jeremy Hyatt, apareceu em filmes adultos famosos como "Garganta Profunda II" e "John Wayne Bobbitt Uncut".

Com seu bigode característico, ele foi uma das estrelas mais reconhecidas da indústria pornô, embora nos últimos anos tenha sido banido devido a acusações de abuso.

Em junho de 2020, Goldfarb negou todas as acusações, insistindo que seu cliente "não era um estuprador".

"Ron, ao longo dos anos, por ser quem é, foi amante de mais de 4 mil mulheres. Alegar que ele é um estuprador é ir longe demais... Quero dizer, as mulheres se jogavam em cima dele", afirmou seu advogado.

hg/pr/ag/am