Atos golpistas em Brasília, São Paulo e Rio não têm adesão nesta quarta-feira

Convocadas pelas redes sociais, manifestações golpistas não tiveram adesão, nesta quarta-feira, em Brasília, São Paulo e Rio. Marcadas para ter início às 18h com o mote "pela retomada do poder", as manifestações não tinham iniciado até 19h.

No entorno da Praça dos Três Poderes e da Esplanada dos Ministérios, na capital federal, não havia aglomeração de militantes identificados como bolsonaristas ou defendendo a pauta golpista.

Bloqueios feitos por policiais militares e por carros da Força Nacional restringiam a circulação de extremistas pelo Eixo Monumental. Apenas servidores e turistas eram vistos na região. Para acessar o entorno de prédios públicos era necessário passar por revista.

Um helicóptero sobrevoava a região, enquanto o interventor federal na segurança pública do Distrito Federal, Ricardo Cappelli, acompanhava a movimentação da Esplanada. De acordo com ele, todas as corporações envolvidas no trabalho operam com efetivo máximo nesta quarta-feira.

Pela manhã, o interventor prometeu tratar "com o rigor da lei" aqueles que cometessem excessos como os vistos no último domingo.

— Não há hipótese de se repetirem atos de vandalismo. O direito à livre manifestação será garantido, mas isto não pode se confundir com terrorismo. Quem agir em desalinho será tratado com o rigor da lei.

Na rodoviária do Plano Piloto, a circulação de pessoas ocorria normalmente e também não era possível ver a chegada de militantes vestidos com camisas alusivas ao bolsonarismo.

Bolsonaristas radicais decepcionados

Em São Paulo, o cenário era o mesmo. A Avenida Paulista não tinha a presença de radicais por volta das 18h30min. O vão do Masp estava cercado por grades e havia policiamento reforçado no local e na frente do Parque Trianon, inclusive com policiais militares da cavalaria. Três bolsonaristas radicais que chegaram ao local disserem estar decepcionados com a falta de público. Um grupo de 15 pessoas autodenominado antifascista chegou ao vão do Masp por volta de 18h45m, segundo eles, para esperar bolsonaristas.

Pessoas familiarizadas com o esquema de segurança preparado pela Polícia Militar no local afirmam que a inteligência já monitorava a possibilidade de atos golpistas na Paulista, mas que até o início da tarde de hoje a expectativa era de um ato diminuto.

No Rio, a orla de Copacabana também estava vazia na altura do posto 5, para onde foi convocada a manifestação. O forte aparato policial, com equipes de batalhões e grupamentos especiais da Policia Militar e Guarda Municipal chamaram atenção de quem passava pela Avenida Atlântica. Alguns agentes estavam equipados com escudos, armas de bala de borracha e capacete tático.