Atos golpistas no DF: AGU pede bloqueio de bens de 40 presos

Objetivo da AGU é "assegurar que os bens dos acusados possam ser utilizados para ressarcir o patrimônio público"

Bolsonaristas radicais durante ato golpista em Brasília (Foto: Joedson Alves/Anadolu Agency via Getty Images)
Bolsonaristas radicais durante ato golpista em Brasília (Foto: Joedson Alves/Anadolu Agency via Getty Images)

A AGU (Advocacia-Geral da União) pediu nesta terça-feira (24) o bloqueio de bens de 40 pessoas detidas nos atos golpistas no dia 8 de janeiro, em Brasília. A informação é do jornalista Valdo Cruz, da GloboNews.

Essa é a segunda ação do tipo movida pela AGU. Na primeira vez, foi pedido o bloqueio de bens de pessoas e empresas suspeitas de financiar o transporte dos bolsonaristas radicais que invadiram a praça dos Três Poderes e depredaram o Palácio do Planalto, o Congresso Nacional e o STF (Supremo Tribunal Federal).

O objetivo da AGU, nas duas ações, é "assegurar que os bens dos acusados possam ser utilizados para ressarcir o patrimônio público em caso de posterior condenação definitiva."

Nota da AGU

A Advocacia-Geral informou em comunicado:

"O valor total que a AGU pede para ser bloqueado em ambas as ações, R$ 18,5 milhões, leva em consideração relatórios de estimativas de danos apresentados pelo Palácio do Planalto, Supremo Tribunal Federal (STF), Senado Federal e Câmara Federal.”

Além disso, o órgão pediu que sejam indisponibilizados "imóveis, veículos, valores em contas financeiras e outros bens dos envolvidos".

O novo pedido da AGU, ainda segundo reportagem divulgada pelo portal g1, foi elaborado a partir de documentos da Polícia Civil do Distrito Federal e da decisão do ministro Alexandre de Moraes, do STF. Foi ele quem decretou a prisão dos bolsonaristas radicais envolvidos nos atos golpistas.