Atos pró-Bolsonaro levam esquerda e centrais sindicais a divergirem sobre também ir às ruas em 7 de setembro

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO — Lideranças dos partidos de esquerda e de movimentos sindicais estão divididos sobre a participação nas manifestações de 7 de setembro. Eles alegam que o temor de violência por parte de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, que em parte são armamentistas e também estarão nas ruas, os levou a colocar o pé no freio. Desde março, o campo esteve unido nas manifestações contra Bolsonaro.

A preocupação em relação à violência se acentua em São Paulo, onde devem acontecer os maiores protestos e há vídeos nas redes sociais com chamamento para que profissionais das forças de segurança estejam presentes em defesa do presidente. Na capital paulista, os manifestantes anti e pró-Bolsonaro devem estar separados por uma distância de três quilômetros e o governo do estado preparou um esquema de segurança que envolve até a revista de participantes para tentar evitar confusões.

A chamada à manifestação tem vindo principalmente de setores mais ligados ao PT. Ontem, a presidente da sigla, Gleisi Hoffmann, divulgou um vídeo convocando a militância às ruas sob o mote do “Fora, Bolsonaro”. Na mensagem, Gleisi alerta que a pauta “não é pela violência, mas pela vida”. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem dado sinais de que não comparecerá .

Assim como os petistas, o líder dos sem teto Guilherme Boulos (PSOL) tem defendido a permanência da esquerda na rua sob a justificativa de que é preciso disputar o espaço com os bolsonaristas. O apoio aos atos, porém, não é unânime neste campo. PSB e PDT não darão endosso aos protestos.

— Apoiamos os protestos contra o governo, mas não podemos admitir a hipótese de confronto. Não é oportuno participar — afirma Carlos Siqueira, presidente nacional do PSB.

O deputado Marcelo Freixo (PSB-RJ) também tem defendido a retirada da militância das ruas. O presidente do PDT, Carlos Lupi, diz que o partido não participará oficialmente, mas liberará a militância:

— Vai ter provocação e temos que ter responsabilidade.

Entre as centrais sindicais, UGT, Força Sindical, CSB e Nova Central decidiram ficar de fora:

— Não podemos correr risco de violência (nas ruas). Queremos construir um caminho com o equilíbrio para que o próximo presidente eleito tome posse — afirma Ricardo Patah, presidente da UGT.

Apesar das desistências, organizadores acreditam que CUT e outros movimentos populares devem garantir o público:

— Quem não quiser ir tem o direito, mas não vamos deixar as ruas por ameaças de bolsonaristas — afirmou Raimundo Bonfim, coordenador da campanha Fora Bolsonaro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos