Atrás em pesquisas, Bolsonaro volta a descredibilizar levantamentos: “Não valem nada”

Jair Bolsonaro criticou pesquisas quando saía do hotel em Nova York nesta terça-feira (20) (Foto: Michael M. Santiago/Getty Images)
Jair Bolsonaro criticou pesquisas quando saía do hotel em Nova York nesta terça-feira (20) (Foto: Michael M. Santiago/Getty Images)

Um dia depois da divulgação de uma nova rodada da pesquisa Ipec, Jair Bolsonaro (PL) voltou a descredibilizar levantamentos eleitorais. Em Nova York, o presidente do Brasil disse a um jornalista: “Se você acredita em pesquisas, não vou falar contigo”.

A frase foi dirigida ao repórter Leandro Prazeres, da BBC Brasil, quando Bolsonaro deixava o hotel onde está hospedado para ir à 77ª Assembleia Geral da ONU, onde discursou nesta terça-feira (20).

"Essas pesquisas não valem de nada. Se você acredita em pesquisas, não vou falar contigo”, declarou o presidente.

Na última segunda-feira (19), a pesquisa Ipec mostrou uma ampliação da vantagem de Lula (PT), com 47%, frente a Bolsonaro, que se manteve com 31%. Com isso, o petista poderia vencer a eleição no primeiro turno, com 52% dos votos válidos.

Quando deixava o hotel em Nova York, Bolsonaro voltou a falar que venceria já no dia 2 de outubro – mesmo que as principais pesquisas indiquem o contrário. Questionado se aceitaria o resultado em caso de derrota, o presidente mostrou estar confiante. "Não vou falar em hipóteses. Vamos ganhar no primeiro turno”, disse.

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente:

Ministro ataca pesquisa

Jair Bolsonaro não foi o único integrante do governo a duvidar do resultado da pesquisa Ipec. Logo após a divulgação dos números, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, também atacou o instituto de pesquisa.

Fábio Faria foi às redes sociais, nesta segunda-feira (19), para falar em "fechamento" do Ipec, o instituto de pesquisas eleitorais, após novo levantamento apontar crescimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e chances de o petista vencer o pleito já no 1º turno.

"Chega desses absurdos com pesquisas eleitorais!!! A hora da verdade está chegando", disse o ministro.