Atraso em licitação faz servidor do TJ-SP levar papel higiênico de casa

LAÍSA DALL'AGNOL

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Servidores do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) reclamam da falta de materiais de higiene e de escritório nas comarcas do estado.

Os funcionários ouvidos pelo Agora, que não quiseram se identificar, afirmam que itens como papel higiênico, papel toalha, sabonete líquido e papel sulfite acabaram em alguns dos fóruns e que a orientação recebida é a de que servidores devem levar os insumos por conta própria.

"Recebemos, internamente, a informação de que o contrato com a antiga fornecedora desses produtos não foi renovado", diz um servidor da comarca de Suzano, na Região Metropolitana de São Paulo, ouvido pela reportagem.

"Itens que faltam com frequência são papel higiênico e sabonete líquido. Aqui, está faltando papel sulfite e não tem previsão de chegar", afirma uma servidora de uma comarca no interior.

A Justiça paulista diz que o atraso aconteceu por causa da paralisação em uma das licitações do fornecimento de materiais, mas que o abastecimento já foi regularizado.

"Um dos licitantes impetrou recursos, o que retardou a assinatura da licitação para janeiro deste ano. Todos os contratos já estão formalizados", afirma o TJ-SP.

A Aojesp (Associação dos Oficiais de Justiça do Estado) diz que vem recebendo denúncias de associados com situações semelhantes, mas que, no entanto, ainda não verificou um problema generalizado e que há diversos fornecedores nas 320 comarcas paulistas. 

A entidade diz que, no Fórum João Mendes, na Sé (centro de São Paulo), a autorização para compra de materiais foi aprovada apenas nesta semana, o que de fato atrasou o recebimento de alguns dos itens, como papel higiênico e papel toalha para os banheiros públicos. 

O presidente da Assetj (Associação dos Servidores do Tribunal de Justiça do Estado), José Gozze, confirma que a falta de materiais é recorrente, embora pontual, e que a associação prepara um levantamento da situação no estado.

"Neste sábado (15) haverá o Encontro dos Judiciários, com mais de 15 entidades, e vou levar essa questão e, então, teremos mais informações sobre a situação real."