Atrasos da Astrazeneca são 'problema' na estratégia de vacinação da UE

Marc BURLEIGH
·2 minuto de leitura
Atrasos da AstraZeneca irritam e preocupam UE

Os atrasos significativos do laboratório AstraZeneca em seu programa de entrega da vacina representam um "verdadeiro problema" para a União Europeia (UE), porque deveria ser uma peça central da estratégia de vacinação - disse uma fonte de alto nível da Comissão Europeia.

A AstraZeneca, cujo produto "seria a vacina em massa para o primeiro trimestre" de 2021, pode garantir apenas 25% das mais de 100 milhões de doses prometidas, o que é "um verdadeiro problema" para os 27, declarou a diretora-geral da Saúde na Comissão, Sandra Gallina, perante os eurodeputados.

Apenas outras duas vacinas foram licenciadas na UE: a da Pfizer/BioNTech e a da Moderna, e ambas devem fornecer um volume importante de imunizantes no segundo trimestre.

"Haverá muito mais doses no segundo trimestre, porque um novo contrato entrará em vigor" com a Pfizer/BioNTech, lembrou Gallina.

A BioNTech confirmou ontem (1) a entrega para a UE de até 75 milhões de doses adicionais no segundo trimestre da vacina desenvolvida com a Pfizer.

O tom aumentou nas últimas semanas entre os líderes europeus e a AstraZeneca, que acumulou atrasos nas entregas de sua vacina anticovid. Este foi o terceiro fármaco a ser aprovado na UE, depois das da Pfizer/BioNTech e Moderna.

A AstraZeneca disse que não poderia entregar mais do que 25% das doses inicialmente prometidas à UE ainda no primeiro trimestre e atribuiu essa situação a uma "queda no desempenho" em uma fábrica europeia.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou no domingo que o laboratório entregará 40 milhões de doses no primeiro trimestre.

O anúncio desses atrasos alimentou, porém, especulações sobre as exportações para o Reino Unido de vacinas produzidas na UE, em detrimento de suas obrigações contratuais com Bruxelas.

O CEO da AstraZeneca, Pascal Soriot, garante que a empresa se comprometeu apenas com "fazer todo possível" para cumprir seu contrato.

"Os calendários são obrigatórios, quando se trata do pedido de vacinas (...) Portanto, não vejo onde estão seus esforços", rebateu Gallina.

Ele também observou que, em virtude dos contratos entre a UE e os fabricantes de vacinas, "podemos receber os produtos, ou (um reembolso) pelas quantidades que pagamos".

A Comissão Europeia destinou 336 milhões de euros (US$ 405 milhões) à AstraZeneca para desenvolver sua vacina e aumentar sua capacidade de produção, embora não tenha pago toda a quantidade encomendada.

"Não tenho a vacina, vocês não têm o pagamento da Comissão (Europeia)", resumiu Gallina.

rmb/dc/gd/am/ahe/erl/lda/ahg/zm/tt