Atuação de Nunes Marques em sintonia com governo confirma declaração de Bolsonaro sobre '10%' dele no Supremo

·1 min de leitura

BRASÍLIA — Primeiro ministro indicado pelo presidente Jair Bolsonaro ao Supremo Tribunal Federal, Kassio Nunes Marques vem atuando, em geral, em harmonia com os interesses do governo, o que valida a declaração dada pelo presidente na terça-feira de que há “10%” dele dentro do STF. Na ocasião, o mandatário reforçou que o magistrado tem “empatado o jogo” ao pedir vista de processos que interessam ao governo e, com o expediente, interromper o julgamento e ganhar mais tempo para analisá-los. Independentemente do instrumento que usa na Corte — ou se sai vitorioso ou não — o fato é, desde que tomou posse em novembro, Nunes Marques joga no time de Bolsonaro. Internamente, ministros avaliam que, com o passar do tempo, a tendência é que ele possa se “descolar” do presidente e adotar uma postura mais independente.

Procurado pelo GLOBO, Nunes Marques informou por meio de assessoria de imprensa que decide todos os casos “com base em sua formação e consciência jurídica, de acordo com as leis e com a Constituição”. Uma das decisões mais polêmicas e que o deixou isolado na Corte foi relacionada ao enfrentamento da Covid-19. No começo de abril, em meio ao agravamento da pandemia, deu uma decisão, depois derrubada pelo plenário, dizendo que estados e municípios não podem impedir a realização de cultos e missas. Também não convenceu os colegas quando, no ano passado, entendeu que apenas o governo federal, e não os estados, podem determinar a obrigatoriedade da vacinação de Covid-19.

Relembre outros votos de Nunes Marques alinhados a Bolsonaro e qual a avaliação dos demais ministros sobre o novato na Corte, em reportagem exclusiva para assinantes.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos