ATUALIZADA - Doze ônibus são incendiados e atividades param em Fortaleza

ISABEL FILGUEIRAS

FORTALEZA, CE (FOLHAPRESS) - Doze ônibus foram incendiados em Fortaleza, no Ceará, na tarde desta quarta-feira (19). A informação é do Sindiônibus (Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará). Segundo a entidade, um motorista sofreu queimaduras.

De acordo com o Comandante do Policiamento da Capital, coronel F. Souto, houve outras seis tentativas de atear fogo em coletivos. A polícia ainda apura o que teria motivado os atos, que ocorreram em vários bairros.

A suspeita é a de que uma rivalidade entre facções em presídios do Estado tenha motivado a ação de vândalos e criminosos. Em um dos ônibus, foi encontrado um bilhete assinado pela facção Guardiões do Estado, com a ameaça de explodir a Assembleia Legislativa e a Secretaria de Segurança Pública.

"Iremos atacar os órgãos públicos e parar o Estado. Aqueles funcionários do governo que não saiam de suas casas, pois poderão sofrer nessa guerra", dizia a mensagem. A carta alertava ainda as autoridades a "não mexer" nas unidades prisionais, que têm passado por transferências de presos nos últimos dias.

As empresas de ônibus recolheram os veículos que circulavam na cidade. Em nota, o Sindiônibus disse que "repudia veementemente a prática criminosa que provocou o incêndio a 12 ônibus e causou queimaduras em um motorista, nesta quarta-feira". A entidade informou ainda que, desde 2014 até abril de 2017, foram incendiados 55 veículos.

Universidades públicas e particulares suspenderam as aulas na noite desta quarta. "O IFCE (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará) suspendeu as aulas do período noturno em função dos crimes que aconteceram pela cidade. Desejo que todos cheguem em casa em segurança", escreveu o professor da instituição, Márcio de Melo Gomes.

Alguns usuários do transporte coletivo recorrem aos serviços de vans, que continua em operação. Outros buscam aplicativos como Uber e 99, que suspenderam seus descontos promocionais diários. Pontos de comércio de rua no centro também fecharam mais cedo. A Secretaria de Segurança Pública informou que irá fazer coletiva de imprensa em breve.

"Eu dei carona para quatro pessoas comigo. O terminal está super lotado. Está o caos", disse a professora Bárbara Diniz.