ATUALIZADA - EUA atacam Síria em retaliação a ataque com arma química no país

ISABEL FLECK

WASHINGTON, EUA (FOLHAPRESS) - O governo americano lançou 59 mísseis sobre a Síria na noite desta quinta-feira (6) em retaliação ao ataque químico que matou pelo menos 80 pessoas, muitas delas crianças, na última terça (4) em uma cidade dominada por rebeldes opositores ao regime do ditador Bashar al-Assad.

O bombardeio foi ordenado pelo presidente Donald Trump da Flórida, onde ele se reunia com o presidente chinês Xi Jinping. O porta-voz do Pentágono deu a entender que não há a intenção de repetir o ataque.

A agência estatal síria Sana informou que nove civis morreram, incluindo quatro crianças. Outras sete pessoas ficaram feridas, segundo o comunicado.

"Assad sufocou homens, mulheres e crianças inocentes. Foi uma morte lenta e brutal para muitos", declarou Trump. "Até mesmo lindos bebês foram cruelmente assassinados neste ataque bárbaro. Nenhum filho de Deus deveria jamais sofrer horror tão terrível."

Ele afirmou ainda que é "interesse vital da segurança nacional dos EUA" evitar e deter a propagação e o uso de armas químicas."

Segundo o Pentágono, 59 mísseis Tomahawk foram lançados de dois navios de guerra americanos no mar Mediterrâneo e atingiram a base aérea de Al Shayrat, em Homs, destruindo caças sírios, munição, radares e outros equipamentos militares. A ação durou entre três e quatro minutos.

Foi dessa base, segundo Trump, que partiu o ataque químico de terça-feira (4).

A Rússia, aliada do regime de Bashar al-Assad, condenou o ataque e disse que ele foi baseado em "pretextos inventados". O Irã também condenou a ação.

O comunicado emitido pelo porta-voz do Pentágono, Jeff Davis, diz que o ataque "reduziu a habilidade do governo sírio de usar armas químicas". "O uso de armas químicas contra inocentes não será tolerado", diz Davis.

"Foi uma resposta proporcional" ao ataque a Khan Sheikhun destinada a "dissuadir o regime de utilizar armas químicas novamente". "Será decisão do regime se serão realizados outros [bombardeios], isso será decidido com base em seu comportamento futuro", acrescentou o porta-voz.

Nenhum avião ou material militar da Rússia –que apoia o regime de Bashar al-Assad– foi atingido, de acordo com ele. Moscou teria sido avisada antes que o ataque tivesse início, por volta das 21h40 de quinta (6) (de Brasília), 4h40 de sexta na Síria, segundo o Pentágono. O secretário de Estado, Rex Tillerson, no entanto, disse que não houve contato.

"Com tantos Tomahawks voando, não queríamos atingir nenhuma aeronave russa", disse um funcionário da Defesa ao "New York Times", sob anonimato. Segundo Tillerson, a Rússia fracassou ao não evitar ataques químicos.

A base aérea bombardeada nesta quinta era usada pelo regime sírio para estocar armas químicas até 2013, quando um acordo foi alcançado por Rússia e EUA para que o governo se desfizesse de seu arsenal declarado. Davis disse não poder confirmar se ainda havia agentes químicos no local, mas afirmou que o ataque foi calculado "com cuidado" para não atingir esse tipo de arma.

Na Flórida, o conselheiro de segurança nacional, H.R. McMaster afirmou que a equipe de Trump tinha apresentado a ele três opções de retaliação. O presidente então teria pedido que seus assessores estudassem melhor duas delas e tomou a decisão na quinta.

Tillerson aproveitou o momento para exaltar a capacidade de Trump de "tomar ações decisivas para responder a atos hediondos".

A recente escalada no tom do governo Trump contra o ditador, porém, é uma mudança em relação à posição que o republicano vinha mantendo desde a campanha. Até o início desta semana, o discurso oficial dele e de sua equipe era de que a saída de Assad não era uma prioridade, mas sim derrotar o Estado Islâmico na Síria e no Iraque.

Mais cedo, embora analistas considerem as motivações de Assad um enigma, o secretário de Estado Rex Tillerson havia dito não haver dúvida de que o regime do ditador Bashar al-Assad era responsável pelo ataque químico, e que era preciso uma resposta séria ao massacre.

"Com as ações tomadas por ele [Assad], parece não haver espaço para que ele governe o povo sírio", disse

APOIO INTERNACIONAL

O secretário de Defesa do Reino Unido, Michael Fallon, afirmou nesta sexta-feira (7) que o Reino Unido não planeja ações na Síria, mas que apoia o ataque americano.

"Nós não estamos comprometidos com uma ação militar na Síria. Nosso parlamento considerou isso em 2013 e rejeitou", disse Fallon. Em 2013, logo após o ataque químico em Ghouta, Trump chegou a criticar o então presidente Obama sobre a intenção de bombardear a Síria. "O que ganharemos senão mais dívida e um possível conflito de longo prazo? Obama precisa de aprovação do Congresso", tuitou.

Além dos britânicos, os governos da Turquia, Austrália, Nova Zelândia, Israel, Arábia Saudita e Japão declararam apoio aos EUA.

SARIN

Nesta quinta, o governo da Turquia havia anunciado que autópsias confirmaram que foi usado sarin, uma arma química, no ataque de terça-feira na cidade de Khan Sheikhu. Inicialmente desenvolvido como pesticida, o sarin é um poderoso paralisante muscular, que mata por asfixia.

O presidente russo, Vladimir Putin, vinha criticando os países por culparem o regime sírio.

Segundo o Kremlin, ele disse ao premiê israelense que é "inaceitável" fazer acusações a Assad antes que uma "investigação internacional objetiva" seja feita.

Na versão defendida pelo governo russo, o envenenamento e as mortes foram causados após um ataque atingir uma instalação onde rebeldes contrários ao regime estariam estocando armas químicas.

Nesta quinta, o governo Assad voltou a negar que tenha usado armamento químico contra a população.

"Posso garantir mais uma vez que o Exército árabe sírio não usou e nunca utilizará este tipo de armas contra nosso próprio povo, contra as nossas crianças, nem mesmo contra os terroristas que mataram nosso povo", disse o chanceler sírio, Walid Muallem.

REPERCUSSÃO

Em um esforço para associar os bombardeios ao ataque com armas químicas, militares norte-americanos mostraram a repórteres imagens de radar que mostram um avião da força aérea síria deixando uma base aérea em direção ao local onde os civis foram intoxicados, na terça-feira.

Nos EUA, a primeira reação de parlamentares foi de apoio à iniciativa de Trump, embora alguns tenham alertado o presidente contra a declaração unilateral de guerra sem antes consultar o Congresso.

Os senadores republicanos John McCain e Lindsey Graham, normalmente críticos das ações de Trump, elogiaram sua decisão.

"Enviaram uma mensagem importante de que os Estados Unidos não mais ficarão de braços cruzados enquanto Assad, apoiado pela Rússia de Putin, chacina sírios inocentes com armamento químico e morteiros", afirmaram em nota conjunta à imprensa.

ESPECIALISTAS

Para Peterson Silva professor de relações internacionais nas Faculdades Integradas Rio Branco, o ataque "é uma quebra, ainda que parcial, dos rumos iniciais da política externa de Trump, que prometia ser mais isolacionista".

Lucas Leite, especialista em política externa americana e professor da Faap (Fundação Armando Álvares Penteado), afirma que o bombardeio mostra que Trump "ao contrário do governo Obama, foi bem objetivo e não blefou quando prometeu intervir".

Segundo o especialista, o presidente dos EUA "cumpriu a ideia da linha vermelha para Assad, que chegou a ser mencionada por Obama, de que o uso de armas químicas não seria aceito pelos EUA".

Leite ressalta o fato de que a representante dos Estados Unidos no Conselho de Segurança da ONU afirmou que o país poderia ignorar eventuais vetos do conselho para uma ação militar no país árabe.

De acordo com ele, o ataque é a "prova de que o Conselho de Segurança perdeu sua capacidade de ação, que as forças de governança internacional não funcionam e que o sistema internacional está em desequilíbrio".

Mesmo assim, para Peterson Silva ainda é cedo para dizer que o bombardeio significa a entrada definitiva dos Estados Unidos na guerra civil síria. "Pode ser o primeiro passo de um envolvimento mais presente, mas pode ser apenas uma demonstração de força".

"A grande mensagem é a de que Trump parece estar inclinado a enfrentar o risco geopolítico que um maior envolvimento na questão da Síria pode representar", avalia Silva.

Quanto às possíveis reações da Rússia ao ataque, analistas acreditam que a tradicional aliada do regime sírio pode ter sido surpreendida e que sua resposta é imprevisível.

Para Lucas Leite, "o fato de que a Rússia não tenha dado uma resposta ao conflito é mostra de um grau de hesitação raro de Putin".

O especialista avalia que o país tem três opções mais prováveis de ação: pode intensificar ações militares em território sírio contra os rebeldes para fortalecer Assad –contudo, isso significaria apostar em uma escalada do conflito "algo mais arriscado".

Outra possibilidade, segundo Leite, é buscar outras alternativas de negociação direta com os Estados Unidos, de maneira bilateral.

A última opção de Putin seria "buscar uma solução pelo Conselho de Segurança, que mesmo debilitado é ainda o último fórum para discutir essas questões".