ATUALIZADA - Ministro do STF nega habeas corpus a Antonio Palocci

LETÍCIA CASADO

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF (Supremo Tribunal Federal), negou nesta quarta (3) habeas corpus ao petista Antonio Palocci, preso desde setembro pela Operação Lava Jato.

Se a defesa recorrer, o pedido será analisado pela Segunda Turma do STF, na qual o relator tem sido voto vencido.

Na última semana, o colegiado acatou pedidos de liberdade provisória de três presos da Lava Jato: do petista José Dirceu, do pecuarista José Carlos Bumlai e do ex-tesoureiro do PP João Carlos Genu.

Em abril, Fachin já havia negado outro pedido de habeas corpus a Palocci.

A nova petição foi feita na semana passada, depois das decisões sobre Bumlai e Genu.

O advogado José Roberto Batochio, que defende o Palocci, disse à reportagem que o Supremo precisa dar prioridade à situação de seu cliente, que é réu preso.

Batochio sempre negou que seu cliente estivesse interessado em fazer delação premiada.

A reportagem apurou que o petista chegou a se reunir com investigadores da Lava Jato para tratar do assunto.

Mas, apesar de ter abordado escritórios de advocacia especializados em colaboração, ele não chegou a constituir novos defensores.