ATUALIZADA - Policiais de PE são proibidos de divulgar notícias negativas

KLEBER NUNES

RECIFE, PE (FOLHAPRESS) - Policiais militares de Pernambuco estão proibidos de repassar informações à imprensa sobre ocorrências caso elas não sejam positivas para a corporação. A ordem, enviada por um ofício na segunda-feira (10) aos batalhões do Estado, vazou e passou a circular nesta terça-feira (11) em redes sociais.

No texto assinado pelo coronel José Flávio Morais de Santana, responsável por oito batalhões e quatro companhias do interior de PE, são definidas como "informações positivas" a serem divulgadas "apreensões de armas e drogas, prisão de homicidas, traficantes, assaltantes etc".

Portanto, diz o ofício, "está terminantemente proibido o repasse [das informações]diretamente para a imprensa sem que ocorram antes os ajustes necessários". A justificativa é que a medida visa "preservar as informações pessoais de vítimas, acusados e testemunhas".

Veículos de imprensa recebiam por e-mail textos conhecidos como "resenhas diárias", com um breve histórico de ocorrências que a PM divulga. Em casos de homicídio, por exemplo, eram relatados nomes dos envolvidos, local, data e a descrição do crime.

O ofício circulou justamente no momento em que há aumento nos índices de violência no Estado. De acordo com o governo, a taxa de homicídios cresceu 13% em 2016, em comparação com 2015.

Em janeiro passado, Pernambuco registrou o maior número de homicídios no Estado dos últimos dez anos, com 479 mortes.

Desde então, a Secretaria de Estado da Defesa Social mudou a forma de divulgação, que deixou de ser diária e passou a ser mensal, sem informar detalhes das vítimas como idade e sexo.

OUTRO LADO

Por meio de nota, a assessoria de comunicação da Polícia Militar de Pernambuco confirmou a veracidade do ofício que circula em redes sociais e negou que exista algum tipo de censura.

"O documento tem como objetivo normatizar e alinhar a divulgação de notícias, como acontece em todas as instituições públicas e privadas", diz trecho da nota.

Ainda de acordo com o texto, "nenhuma informação, desde que consolidada e segura, seja negativa ou não, deixará de ser repassada para a imprensa por meio da assessoria e de porta-vozes".

A nota se encerra com a afirmação de que a PM "rejeita qualquer tipo de censura e relação que não seja de transparência com a imprensa e a sociedade".