ATUALIZADA - Pulitzer destaca abuso policial em NY e guerra às drogas nas Filipinas

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Prêmio Pulitzer de jornalismo anunciou nesta segunda-feira (10) como vencedores na categoria Serviço Público, a principal do concurso, o jornal "Daily News" e a agência de jornalismo investigativo ProPublica por uma série de reportagens sobre abusos policiais em operações de remoções forçadas em Nova York.

As reportagens revelaram violações promovidas por agentes de segurança contra centenas de pessoas, em geral minorias e populações de baixa renda, e levaram o Departamento de Polícia da cidade a rever e reformar suas normas de conduta.

Na categoria Fotografia de Furo de Reportagem, o vencedor foi o fotógrafo freelancer Daniel Berehulak por um ensaio publicado no "The New York Times" documentando a guerra às drogas nas Filipinas.

Desde junho do ano passado, quando Rodrigo Duterte chegou à Presidência do país com um discurso linha-dura contra o narcotráfico, mais de 8.000 pessoas foram mortas pela polícia e por grupos de extermínio.

Também foi premiada, na categoria Reportagem Explicativa, a série de reportagens dos Panama Papers, que revelaram transações financeiras de pessoas ligadas a líderes políticos, empresários e celebridades envolvendo empresas offshore.

A equipe do jornal "The New York Times" venceu em três categorias, inclusive a de Reportagem Internacional pelo trabalho sobre as práticas adotadas pelo governo do presidente russo, Vladimir Putin, para projetar poder no exterior, valendo-se de espionagem e assassinatos de opositores.

"Os trabalhos vencedores do Prêmio Pulitzer nos lembram que, em vez de estarmos vivendo um período de declínio do jornalismo, nós estamos atravessando uma revolução", declarou Mike Pride, diretor do concurso. "A era digital deu aos jornalistas de hoje ferramentas que seus antecessores mal podiam imaginar."

Em uma referência indireta aos ataques do presidente Donald Trump à imprensa nos EUA, Pride afirmou que o jornalismo, embora tenha falhas, é "um pilar da democracia". "Por revelarem verdades inconvenientes, jornalistas sempre serão alvos fáceis", disse.

Concedido anualmente desde 1917 pela Universidade Columbia, o Pulitzer premia trabalhos jornalísticos e literários publicados em veículos dos Estados Unidos e é um dos concursos mais prestigiados do mundo. Neste ano, foram submetidos aproximadamente 1.100 trabalhos em 21 categorias.