ATUALIZADA - Tabloide indenizará Melania após sugerir que ela se prostituía

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O tabloide britânico "Daily Mail" fechou um acordo nesta quarta (12) para indenizar a primeira-dama dos EUA, Melania Trump, pela publicação de uma reportagem na qual sugeriu que ela oferecia "serviços adicionais" durante a carreira de modelo.

Melania, 46, exigia do tabloide uma indenização de US$ 150 milhões (R$ 470 milhões) pela publicação de "alegações falsas e difamatórias". Ela argumentou que o jornal havia manchado sua imagem de "empresária de sucesso" e comprometido sua capacidade de fechar novos negócios.

A Alta Corte de Justiça, em Londres, não divulgou a quantia acordada a ser paga a Melania, mas, segundo uma fonte com conhecimento do caso, o "Daily Mail" deverá pagar US$ 2,9 milhões (R$ 9,1 milhões) à primeira-dama, incluindo a indenização e os gastos com advogados.

Publicada em agosto de 2016, quando Donald Trump disputava a Presidência a reportagem "Fotos picantes e questões controversas sobre sua mulher podem desestabilizar Trump" trazia uma imagem antiga de Melania nua e sugeria que ela oferecia serviços de acompanhante quando trabalhou como modelo, nos anos 90.

"Reconhecemos que as alegações são falsas, retratamo-nos e as retiramos", declarou a defesa do "Daily Mail".

Melania, nascida na Eslovênia, casou-se com Trump em 2005 --ele teve dois casamentos anteriores, com Ivana Trump e Marla Maples.

Em fevereiro, ela fez um acordo com o blogueiro Webster Tarpley, que publicara rumores de que ela foi prostituta na década de 90.