Aumenta a crise política no Líbano

O presidente libanês deixou o palácio presidencial este domingo, durante uma cerimónia popular organizada pelos apoiantes.

O mandato de seis anos de Michel Aoun termina amanhã sem que os deputados possam eleger um sucessor devido às suas diferenças políticas, num país em pleno colapso económico.

No último mês, o parlamento reuniu quatro vezes em vão. Nem o campo do Hezbollah, o poderoso movimento armado que domina a vida política do Líbano, nem os seus opositores conseguiram uma clara maioria para impor um candidato.

No passado, a eleição de um presidente no Líbano já conduziu à violência ou a crises políticas num país governado pela partilha do poder comunitário.