Aumentam receios sobre a ameaça nuclear

Antes que suceda o pior, sucedem-se os alertas. De acordo com responsáveis militares dos Estados Unidos, a Rússia já debateu como e quando poderá usar armas nucleares na Ucrânia. São informações veiculadas por vários media norte-americanos, incluindo o New York Times.

Seria irresponsável se não levássemos a sério este e outros indicadores.

Mas apontam-se igualmente os sinais vindos diretamente do Kremlin. O Ministério dos Negócios Estrangeiros russo emitiu uma declaração oficial, dizendo que Moscovo pode "hipoteticamente recorrer a armas nucleares exclusivamente como resposta ao uso de armas de destruição maciça" e "quando estiver em causa a própria existência do Estado russo".

A Casa Branca fala em profunda irresponsabilidade.

"Ainda não temos uma indicação concreta de preparativos russos nesse sentido. Mas tudo isto é extremamente preocupante. Seria tão irresponsável quanto o discurso que Putin tem tido. E também seria irresponsável se não levássemos a sério este e outros indicadores", declarou John Kirby, porta-voz do Conselho Nacional de Segurança dos EUA.

Há duas semanas, o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, avisava que a Ucrânia prepara um ataque com uma "bomba suja", ou seja, uma bomba que dispersa material radioativo, sem avançar com provas concretas.