Aumento da violência agita campanha pela prefeitura de Nova York

·4 minuto de leitura
Policiais na Times Square, Nova York, em 8 de maio de 2021, após um tiroteio que feriu dois transeuntes e uma menina de quatro anos

Homicídios e tiroteios em alta, inclusive na Times Square, ataques surpresa com faca ou espancamentos no metrô. O crime disparou em Nova York e se tornou uma questão central na campanha para eleger um novo prefeito no final de junho.

Cerca de 505 pessoas foram mortas a tiros na maior cidade americana até agora este ano, o maior número em uma década, segundo dados da polícia. Já ocorreram 146 assassinatos, contra 104 no mesmo período de 2019 e 115 em 2020.

O aumento da violência começou no verão de 2020, após os primeiros meses de confinamento devido à pandemia que deixou mais de 30.000 mortos em Nova York, quando a violência armada caiu para seu nível mais baixo em seis décadas.

Os especialistas afirmam que o confinamento, o desemprego e a inatividade explicam em grande parte esses números, longe dos números das décadas de 1980 e 1990, quando a cidade às vezes tinha 2.000 homicídios por ano.

- "Temo por minha filha" -

O metrô também tem sido palco de violência. Nos últimos incidentes, cinco pessoas foram esfaqueadas, cortadas no rosto ou espancadas na sexta-feira em vagões ou estações.

"A violência está claramente aumentando ... e o aumento de 2020 corre o risco de continuar em 2021", disse John Pfaff, professor de direito penal na Fordham Law School, à AFP.

“O cotidiano que ocupa as pessoas e as mantém fora do crime não é para todos. Há uma enorme incerteza econômica, grande estresse emocional ... Tudo isso contribui para a violência, que se autoperpetua”, acrescentou.

“Você já pegou o metrô? Porque eu já, e fiquei com medo (...) Não falo para minha filha andar de metrô, porque temo pela minha filha”, disse o governador Andrew Cuomo, opositor ao prefeito Bill de Blasio, a quem acusa de não combater o crime com força suficiente, embora ambos sejam democratas.

De acordo com o NYPD, houve pelo menos 300 ataques no metrô este ano, em comparação com 380 neste momento em 2020. Mas este ano, devido à pandemia, há três milhões de passageiros a menos.

Pat Foye, chefe da Metropolitan Transportation Authority (MTA), responsável pelo metrô, garante que "uma mobilização imediata de policiais é necessária nas plataformas e nos vagões".

Mas o prefeito nega, diz que o assunto está politizado e lembra que há mais 600 policiais fiscalizando as estações desde fevereiro.

“A direção da MTA alimenta o medo nas pessoas (...) Eu andei de metrô. Tantas pessoas na minha vida andam de metrô o tempo todo. Eles são extremamente seguros”, disse ele há poucos dias.

Ele garantiu que a partir de 17 de maio, quando o metrô voltar a funcionar 24 horas por dia, como antes da pandemia, a maior frequência trará mais segurança.

- Segurança na agenda política -

No sábado, 8 de maio, dois transeuntes e uma menina de quatro anos foram baleados e feridos à tarde na Times Square, por motivos desconhecidos.

Vários candidatos a prefeito democratas, como o ex-presidente Andrew Yang, o presidente do Brooklyn e ex-policial Eric Adams e Raymond McGuire, um ex-banqueiro de Wall Street, foram imediatamente à Times Square para prometer melhorar a segurança caso eleitos.

A questão ganhou destaque na campanha eleitoral para prefeito de Nova York, logo após as primárias democratas de 22 de junho.

As pesquisas devem indicar o vencedor da eleição municipal em novembro, já que os republicanos são extremamente impopulares em Nova York. E a questão voltou à tona no primeiro debate (virtual) das primárias democratas na noite de quinta-feira.

"Não financiar a polícia é a abordagem errada para a cidade de Nova York", disse Yang, um moderado.

“Segurança não é sinônimo de polícia”, disse Dianne Morales, mais à esquerda, após lembrar que o NYPD é a principal força do país com 35 mil agentes.

Alguns republicanos, como o comentarista da Fox News, Tucker Carlson, retratam Nova York como uma cidade extremamente perigosa, mas os democratas pedem relativização dos episódios de violência.

Susan Kang, professora da Escola de Justiça Criminal do John Jay College, disse que os números de homicídios e disparos ainda são baixos, mesmo que estejam aumentando.

“Ainda acredito que é bastante seguro morar em Nova York (...) Não ouço ninguém ao meu redor dizer 'não me sinto seguro'. Há uma tentativa política de orientar a discussão”, disse.

cat-lbc/gma/jc

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos