Aumento do fenômeno de dolinas gigantes preocupa Equador

·1 min de leitura

A frequência da aparição de dolinas no Equador preocupa o país. O fenômeno – de causas naturais, na maioria das vezes – é representado pelo surgimento repentino de um buraco no solo e atinge 22 das 24 províncias equatorianas.

Do correpondente da RFI em Quito, Eric Samson

A incidência das dolinas é retratada regularmente pela imprensa local, principalmente quando ocorre em plena cidade, quando provoca pânico dos moradores. Cada vez mais, o temor de ver a terra se abrir sob os pés é maior: neste ano, o fenômeno ocorreu 93 vezes no Equador, 53% a mais do que em 2020 (59 registros) e também superior a 2019, quando ocorreu 74 vezes.

A última dolina aconteceu na quarta-feira (22), destruindo uma dúzia de casas e uma estrada perto do vilarejo andino de Chimbo. O solo cedeu no meio da madrugada. Cinco famílias foram atingidas, mas desta vez, ninguém morreu.

Na maior parte das ocorrências, o fenômeno acontece por causas naturais, como após chuvas torrenciais, ressecamento dos lençóis freáticos ou o desmoronamento de grutas subterrâneas. Mas, por vezes, o responsável pela aparição da abertura é o homem.

Há duas semanas, no sul do país, casas e escolas desmoronaram em Zaruma, pequena cidade a 50 quilômetros de túneis subterrâneos construídos ilegalmente por garimpeiros clandestinos.

Maior cascata do país desapareceu

Desde então, a dolina de São Rafael provoca um fenômeno de erosão que destrói os córregos do rio e ameaça até a central hidrelétrica de Coca Codo Sinclair, a maior do Equador.


Leia mais

Leia também:
Pior enchente na Malásia em sete anos desabriga mais de 29 mil pessoas
Desastres climáticos quintuplicaram nos últimos 50 anos e mataram dois milhões de pessoas
Desastres climáticos mais caros em 2021 custaram quase R$ 1 trilhão, aponta relatório

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos