Aumentos em três categorias dependem da derrubada de vetos de Cláudio Castro

A partir das 15h desta terça-feira a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) vai debater a derrubada de vetos do governador Cláudio Castro. Um deles é o veto total ao Projeto de Lei 6.114/22, que reajusta os valores de vencimento-base para os cargos de assistente executivo, vinculados à Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag), a partir de 1º de janeiro de 2023. Caso o veto seja derrubado, os valores passariam a variar entre R$ 2.804,85 e R$ 11.215,66.

Outro a ser analisado é o veto total ao Projeto de Lei 6.115/22, que reajusta os valores de vencimento-base para os cargos de analistas de Controle Interno da Secretaria de Fazenda (Sefaz) a partir de 1º de janeiro de 2023. Caso o veto seja derrubado, os valores passariam a variar entre R$ 10.268,03 a R$ 15.054,20.

A Alerj ainda pode derrubar o veto total ao Projeto de Lei 6.100/22, que aumenta os vencimentos-base e garante adicionais e auxílios aos funcionários do Procon-RJ. Caso o veto seja derrubado, os assistentes administrativos receberiam de R$ 2.077,29 a R$ 4.878,68; os assistentes técnicos de R$ 2.374,05 a R$ 5.575,64, e os especialistas, que são advogados ou analistas de defesa do consumidor, receberiam de R$ 5.935,11 a R$ 13.939,09.

Inativos e pensionistas sem direito a paridade podem ter reajuste sempre que o servidor da ativa tiver correção salarial. Para isso é preciso que deputados estaduais derrubem o veto do governador ao Projeto de Lei 6.080/22, que determina o reajuste automático de aposentadorias e pensões, que fazem jus à paridade remuneratória, sempre que houver atualização da remuneração dos servidores que se encontram na ativa em cargo compatível.