Ausência do União Brasil marca encontro da terceira via em SP

SÃO PAULO - Um encontro da chamada terceira via num hotel da região central de São Paulo, na tarde desta quinta-feira, foi marcado pela ausência de representantes do União Brasil. Lideranças de partidos como PSDB, Cidadania e MDB já dão como certo o desembarque da sigla, resultado da fusão entre DEM e PSL, da aliança de centro por uma candidatura única.

Participaram do encontro intitulado "derrubando muros" apenas Baleia Rossi, que é o presidente do MDB, e Roberto Freire, do Cidadania. Na próxima quarta-feira, o presidente do União Brasil, Luciano Bivar, deve anunciar oficialmente a decisão sobre que rumo a sigla tomará no plano nacional. Apesar disso, o grupo entende que é possível prosseguir com as conversas, e as tratativas hoje se dão entre os nomes da senadora Simone Tebet (MDB-MS) e do ex-governador tucano João Doria.

Nesta manhã, Doria admitiu a possibilidade de ser vice da senadora. Tebet, por sua vez, tem dito em entrevistas que será cabeça de chapa e que não admite qualquer outro cenário para não desmerecer as mulheres.

Doria e Tebet tentam quebrar resistências internas em seus partidos para viabilizar a terceira via. No MDB, fontes ligadas à direção nacional dizem que a candidatura de Tebet ajuda a pacificar a sigla e evitar com que a maior parte dos estados apoiem o presidente Jair Bolsonaro, ainda que líderes do Nordeste sejam favoráveis ao ex-presidente.

No PSDB, porém, a situação de Doria é mais difícil e algumas lideranças já voltam a defender nos bastidores a possibilidade de o senador Tasso Jereissati fazer parte da composição. A resistência a Doria ocorre em razão da rejeição do ex-governador nas pesquisas de intenção de voto. O evento desta tarde foi uma amostra do isolamento de Doria na sigla. O presidente do PSDB, Bruno Araújo, não participou em razão de um compromisso de trabalho e viajou a Dubai, nos Emirados Árabes. Em seu lugar, Araújo escalou Pimenta da Veiga, um dos principais líderes do grupo anti-Doria na sigla. Estavam presentes também outros opositores de Doria no PSDB, como o ex-senador José Aníbal, o prefeito de Santo André, Paulinho Serra, e o ex-deputado Marcus Pestana. Os três últimos fizeram campanha para o ex-governador Eduardo Leite nas prévias.

Ex-candidato a presidente em 2014, Eduardo Jorge (PV), resumiu, aos seus olhos, a situação de Doria:

— Ele (Doria) tem unanimidade contra ele. A nossa eleição é personalíssima. É a regra do jogo do presidencialismo. O personalismo joga ele (Doria) pra baixo. Talvez seja injusto. Algum amigo tem que falar isso pra ele.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos