Austrália e Nova Zelândia cancelam alerta de tsunami após terremoto de magnitude 7,7

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Após um terremoto de magnitude 7,7 com epicentro localizado a 415 km a leste da ilha de Nova Caledônia gerar um alerta de tsunami para vários países na região do Oceano Pacífico nesta quarta-feira (10), autoridades afirmaram que a ameaça na Austrália e na Nova Zelândia havia passado. "Com base na modelagem mais recente e na diminuição das amplitudes do tsunami em North Cape, Great Barrier Island e East Cape, a ameaça de tsunami passou para a Nova Zelândia", disse a Agência Nacional de Gerenciamento de Emergências do país em um comunicado. "Ainda pode haver grandes correntes inesperadas, e o público é aconselhado a continuar a tomar precauções nas zonas costeiras pelo resto do dia", acrescentou. A Austrália também cancelou um alerta de tsunami que havia emitido para os residentes da Ilha Lord Howe, uma reserva marinha a mais de 700 quilômetros a nordeste de Sydney. Mais cedo, a agência neozelandeza havia orientado a população a evitar praias e áreas costeiras, assim como deixar áreas de portos, rios e estuários no litoral norte do país. O serviço de meteorologia da Austrália também havia alertado sobre uma ameaça de tsunami nas ilhas e territórios australianos. O Centro Sismológico do Mediterrâneo Europeu (EMSC) disse que o epicentro do terremoto está localizado a uma profundidade de 10 km. O tremor se seguiu a pelo menos outros três abalos na região no intervalo de uma hora, com magnitudes que variaram de 5,7 a 6,1. O Sistema de Alerta de Tsunami dos EUA disparou um aviso para o risco de ondas gigantes na Samoa Americana, além de outros possíveis efeitos em países como Fiji e Vanuatu. Até o momento, não há informações de danos materiais ou relatos de vítimas.