Austrália pagará € 555 milhões por romper contrato de submarinos franceses

A Austrália anunciou neste sábado um acordo de compensação de 555 milhões de euros (584 milhões de dólares) com o estaleiro francês Naval Group pelo rompimento de um contrato de fornecimento de submarinos que desencadeou uma crise diplomática de vários meses entre os dois países.

O primeiro-ministro australiano, Anthony Albanese, disse que era um acordo "justo e equitativo", após a quebra do contrato bilionário com o estaleiro francês para, no lugar, adquirir submarinos americanos ou britânicos de propulsão nuclear.

O país da Oceania rompeu um contrato que alcançava 56 bilhões de euros, o que iniciou uma crise diplomática entre Austrália e França e ameaçou prejudicar um acordo comercial entre os australianos e a União Europeia.

O ministro da Defesa da França, Sébastien Lecornu, em visita a Singapura, disse que o país "toma nota" do acordo.

"Este acordo é importante porque permitirá virar uma nova página em nosso relacionamento bilateral com a Austrália e olhar para o futuro", disse Lecornu.

A empresa Naval Group celebrou em um breve comunicado o acordo, que chamou de "justo", sem mencionar o valor da indenização.

Em setembro de 2021, o então primeiro-ministro Scott Morrison rompeu repentinamente um contrato acordado há anos com o Naval Group para produzir submarinos movidos a diesel.

E anunciou a aquisição de submarinos britânicos ou americanos de propulsão nuclear, uma mudança significativa em um país com pouca capacidade atômica.

A decisão irritou o presidente francês, Emmanuel Macron, que acusou Morrison de mentir para ele. As relações foram congeladas até maio deste ano, quando o progressista Albanese foi eleito primeiro-ministro da Austrália.

"Estamos estabelecendo uma relação melhor entre Austrália e França", disse Albanese depois de conversar com Macrom sobre o acordo. "Pretendo aceitar o convite do presidente Macron para visitar Paris na primeira oportunidade", acrescentou.

- A sombra de China -

Desde que chegou ao poder, Albanese trabalha para corrigir as relações tensas de seu antecessor com a França, a Nova Zelândia ou com os países insulares do Pacífico, descontentes com os escassos compromissos no meio ambiente do conservador Morrison.

Também adotou medidas para tentar organizar a primeira reunião a nível ministerial com a China em dois anos, após uma série de disputas políticas e comerciais com o gigante asiático.

A crescente agressividade da China sob a presidência de Xi Jinping explica a corrida da Austrália para melhorar suas capacidades militares, um esforço no qual os submarinos são fundamentais.

Com os navios de propulsão nuclear fornecidos por Estados Unidos ou Reino Unido, a Austrália poderá operar com mais sigilo e terá uma capacidade dissuasão muito maior frente a Pequim.

Mas a implementação não será rápida. Os primeiros submarinos levarão décadas para se tornarem operacionais, deixando uma longa lacuna nas capacidades australianas, que conta atualmente com uma frota envelhecida.

arb/lb/dbh/gm/atm/an/mis/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos