Austrália reforça defesa após aumento da tensão com a China

Por Holly ROBERTSON
O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison

A Austrália anunciou nesta quarta-feira (1o) a reorganização de sua estratégia de defesa, com o aumento da capacidade de ataque a longa distância, em um contexto de aumento das tensões com a China.

O primeiro-ministro Scott Morrison afirmou que o país vai destinar, durante a próxima década, 270 bilhões de dólares australianos (186 bilhões de dólares) para compras e aperfeiçoamento das capacidades de defesa.

Isto representa um aumento de quase 40% do orçamento.

Morrison expressou o desejo de aumentar a capacidade militar australiana de maneira significativa na região Indo-Pacífico.

"Devemos entender que entramos em uma nova era estratégica menos clemente", declarou em um discurso, no qual fez referência à incontestável hegemonia americana e ao forte progresso da China.

"Mesmo que tenhamos acabado com a epidemia de coronavírus em nosso país, devemos nos preparar para o mundo pós-COVID-19, que será mais pobre, mais perigoso e mais desordenado", advertiu.

O governo australiano se comprometeu a destinar pelo menos 2% de seu Produto Interno Bruto (PIB) à defesa, assim como quase 40% a mais de orçamento para o armamento.

O primeiro-ministro chamou a Austrália de potência regional, mas reconheceu que o país, de 25 milhões de habitantes, não pode rivalizar com algumas nações da região, especialmente a China, que prevê oficialmente destinar 178 bilhões de dólares para a defesa apenas em 2020.

Ele afirmou que o país está preparado para enviar tropas "para onde for do interesse nacional".

O anúncio reflete uma mudança significativa da política de defesa da Austrália, que parece querer conter a crescente influência de Pequim na região.

A política segue a promessa de 2018 do primeiro-ministro australiano de restabelecer as relações com os aliados regionais que se voltavam para Pequim.

O governo chinês intensificou o compromisso diplomático com os países em desenvolvimento da região, incluindo o aumento da ajuda financeira.

A Austrália aumentará de maneira significativa os investimentos em política de defesa espacial, indicou Morrison, incluindo uma rede de satélites para criar um sistema de comunicação independente.

A segurança cibernética é outro ponto estratégico. Na terça-feira, o governo anunciou um plano de luta contra ataques virtuais.

Recentemente, o governou revelou que o país foi alvo de um ciberataque por parte de um "ator estatal", apontando para a China.

Esta não é a primeira disputa entre os países. O governo australiano provocou a irritação de Pequim ao pedir uma investigação internacional independente sobre as origens da pandemia de coronavírus e ao criticar uma diplomacia chinesa agressiva e desonesta.

A China respondeu com a recomendação de que seus cidadãos não viajem para a Austrália e adotou sanções comerciais contra produtos australianos.